Esportes

Zé Roberto continua técnico da seleção feminina de vôlei até Tóquio-2020

Treinador José Roberto Guimarães prolonga seu ciclo na Seleção feminina de Vôlei - foto: Marcello Dias/CBV

Treinador José Roberto Guimarães prolonga seu ciclo na seleção feminina de Vôlei – foto: Marcello Dias/CBV

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) anunciou na manhã desta sexta-feira (23) a permanência do técnico José Roberto Guimarães, 62, no comando da seleção feminina de vôlei. O técnico concedeu uma coletiva na sede da confederação para ratificar que segue treinando a seleção.

Segundo o Chief Executive Officer (CEO) da CBV, Ricardo Trade, o técnico Zé Roberto comandará a seleção feminina até 2020, ano da Olimpíada de Tóquio. Para Trade, a renovação com o técnico é uma vitória para o vôlei brasileiro.

“Demos o Zé de presente para o povo brasileiro. Sobre o masculino, não há novidades. Deixamos para o Bernardo claro que queremos a permanência dele. Tanto ele quanto o Zé eram nossas vontades. Nunca houve dúvida alguma. Estamos respeitando o tempo pedido por ele para decidir”, afirmou o CEO.

“Eu não me via fora da confederação e do vôlei. Está tudo caminhando bem. Acho que temos um novo ciclo promissor”, afirmou o treinador.

Técnico da seleção feminina desde 2003, Zé Roberto foi campeão olímpico em Pequim-2008 e Londres-2012. É o único brasileiro com três ouros em Jogos (como comandante do time masculino, havia conquistado Barcelona-1992).

Na Rio-2016, contudo, a seleção feminina foi eliminada pela China e parou nas quartas de final. Com a renovação de contrato, além de recuperar o bom rendimento de ciclos anteriores, Zé Roberto terá missão de forjar um novo grupo

– alguns dos alicerces da geração que disputou os Jogos deste ano, como a central Fabiana e a oposto Sheilla, já disseram que não seguirão na equipe nacional.

Esta eliminação, aliás, serviu de motivação para o treinador aceitar o convite para seguir por mais quatro anos.

“Ficou um sentimento de não ter cumprido a missão. Não era o momento de sair e abandonar. Era o momento de seguir”, disse. “O Brasil tem que se manter entre os melhores do mundo”, disse o treinador.

“Os objetivos são claros. O mais importante é permanecer entre as melhores seleções. Ganhar e perder faz parte da trajetória, assim como para os outros times. Mas o mais importante é se manter entre os melhores. Começamos o ano com o Grand Prix, onde podemos jogar contra as melhores, depois Copa dos Campeões, Sul-Americano, que é classificatório para o Mundial, em que batemos três vezes na trave”, completou.

O ex-técnico da seleção masculina Radamés Lattari assume o cargo de diretor de vôlei de quadra no lugar de Renan Dal Zotto, que deixa a CBV por razões pessoais.

Por Folhapress

Marcello Dias/Inovafoto/CBV

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir