Política

Prefeito afastado de Iranduba, Xinaik Medeiros tem dois dias para apresentar defesa

 Xinaik está preso há 24 dias numa cela do Comando de Policiamento Especializado (CPE), no Dom Pedro- foto: Ricardo Oliveira


Xinaik está preso há 24 dias numa cela do Comando de Policiamento Especializado (CPE), no Dom Pedro- foto: Ricardo Oliveira

Com pedido de cassação tramitando na Câmara Municipal de Iranduba (CMI), o prefeito afastado Xinaik Medeiros (Pros), envolvido nos escândalos de desvio de mais de R$ 56 milhões do erário, tem apenas dois dias para se manifestar em relação ao processo. O prazo de dez dias corridos dado pela casa legislativa ao gestor se encerra neste sábado (5), mas até ontem nenhuma justificativa havia chegado à Comissão Processante da Câmara.

De acordo com o vice-presidente do Conselho de Cidadão de Iranduba, Antônio Maia, 72, os trâmites de cassação do mandato de Xinaik estão cumprindo os ritos legais da Câmara Municipal de Iranduba, e que o prefeito afastado tem até amanhã para apresentar qualquer tipo de manifestação sobre o processo de cassação.

No entanto, Maia explica que apesar dos dez dias corridos concedidos ao prefeito para se pronunciar, Xinaik tem a prerrogativa de recorrer juridicamente contra o processo, o que pode lhe render outro prazo.

“Eu não vejo que ele possa recorrer, apesar de ter essa disponibilidade dentro da lei. Ele não tem condições de voltar, nem psicologicamente nem judicialmente, são muitas as irregularidades. Inclusive eu vejo que ele pode correr o risco de vida, pois são problemas muitos grotescos”, declarou Maia.

Quebra de sigilo

Após aprovar o pedido do Ministério Público do Estado (MPE) de quebra de sigilo de dados telefônicos e financeiros de Xinaik, a relatora do processo no Tribunal de Justiça (TJAM), desembargadora Carla Reis, preferiu não mais se pronunciar a respeito de sua decisão.

Xinaik está preso desde o dia 10 de novembro numa cela no Comando de Policiamento Especializado (CPE), localizado no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste.

Por Henderson Martins

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir