Economia

Votação de veto à MP que aumenta salários na Suframa pode ocorrer hoje

Greve dos servidores da Suframa afetou desembaraço de cargas para a indústria e o comércio – foto: divulgação

Greve dos servidores da Suframa afetou desembaraço de cargas para a indústria e o comércio – foto: divulgação

A votação da derrubada do veto à medida provisória 660 (MP 660), que reajusta os salários dos servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), deve acontecer nesta quarta-feira (15), na Câmara dos Deputados. A MP. Caso o veto presidencial seja derrubado, a greve dos servidores da Suframa pode chegar ao fim após 55 dias.

Segundo o deputado federal Silas Câmara, o governo federal articula para que a derrubada do veto não aconteça. “Acredito que vamos conseguir derrubar o veto”, afirmou o parlamentar, ao ressaltar que essa será a quinta vez que a votação foi marcada.

Por meio da assessoria, a senadora Vanessa Grazziotin afirmou que acompanha o processo de votação à derrubada do veto. Ela tem uma perspectiva de que haja entendimento sobre a questão ainda hoje.

ZFM nordestina
Para fomentar a discussão sobre o veto presidencial à MP 660 e os problemas enfrentados pelo Pólo Industrial de Manaus (PIM), a criação de uma Zona Franca no Semiarido do Nordeste foi um assunto que voltou à tona no Congresso Nacional.

O deputado federal José Wilson Santiago Filho levou ao Congresso a Proposta de Emenda Constitucional 19/11 (PEC), que cria a área de livre comércio para a exportação e importação, assim como a Zona Franca de Manaus (ZFM), na qual poderão ser autorizados a isenção de impostos e o fomento à abertura de fábricas, indústrias e empresas.

A PEC foi apresentada em maio deste ano, mas o deputado Wilson Filho trabalha para que a proposta siga adiante o mais breve possível.

Segundo afirmou o parlamentar paraibano, a ideia de implantar uma Zona Franca no Semiarido surgiu por se notar as dificuldades em que a região convive. “A criação de uma Zona Franca no Nordeste sanaria vários problemas. Precisamos de incentivos para atrair empresas e gerar emprego”, afirmou, ao salientar que “o pensamento de que a proposta vai acabar com a ZFM não tem lógica”.

“É um pensamento egoísta querer que só tenha incentivo em Manaus, eu não concordo com esse pensamento. Outros Estados também precisam desses incentivos”, criticou o parlamentar paraibano.

Por sua vez, Silas Câmara afirmou que uma Zona Franca em qualquer lugar do Brasil deixaria enfraquecida a ZFM. “O Nordeste não tem o porquê de ter uma Zona Franca, Manaus é geograficamente desfavorecida. Eles têm portos e estradas que levam a qualquer lugar do mundo. Em Manaus é mais complicado”, disse.

Conforme Silas Câmara, a bancada amazonense na Câmara está atenta para que a proposta não passe. “Será difícil passar, pois temos uma contrapartida para a Zona Franca, que é 98% da nossa região preservada”, afirmou.

Por Asafe Augusto

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir