Política

Votação de ajuste fiscal é interrompida depois de ‘chuva de petrodólares’

A sessão de votação do pacote de ajuste fiscal do governo Dilma Rousseff foi interrompida por cerca de 20 minutos no início da noite desta quarta (6), após integrantes da Força Sindical – que estavam nas galerias da Câmara – protestarem e atirarem notas de ‘petrodólares’ no plenário, sobre os deputados.

Levados à Câmara pelo presidente licenciado da central, o deputado Paulo Pereira da Silva (SDD-SP) – o ‘Paulinho da Força’ –, os sindicalistas gritaram palavras de ordem e xingamentos contra o governo e contra Dilma.

“Ô Dilma, vai se f…, o Brasil não precisa de você” e “deputado, preste atenção, esse governo está roubando a nação” foram alguns dos coros.

As notas foram jogadas na área do plenário onde se concentram os deputados do PT. Os papéis imitam notas de dólar, com fotos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de Dilma e do ex-tesoureiro do partido João Vaccari Neto – preso em decorrência da Operação Lava Jato – e a expressão ‘PTro Dollar’.

Os protestos se intensificaram após discurso do líder da bancada do PSDB, Carlos Sampaio (SP), que acusou os petistas de serem “caras de pau” e “corruptos”.

Após o tumulto, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), suspendeu a sessão e determinou à Polícia Legislativa que evacuassem as galerias.

Com a saída dos manifestantes, a sessão foi retomada por volta das 19h. Minutos depois, porém, a sessão foi novamente interrompida por causa de bate-boca entre os deputados Roberto Freire (PPS-SP) e Orlando Silva (PC do B-SP), ex-ministro do Esporte nos governos Lula (2003-2010) e Dilma, que quase se atracaram.
A sessão foi retomada, novamente, minutos depois.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir