Cultura

Você ainda aluga DVD? Conheça a única locadora de Manaus com acervo de 35 mil títulos

Comandada pelo engenheiro Overland Cruz, a Take Vídeo Locadora existe há mais de 18 anos – Arthur Castro

“Ótimo acervo! Uma das poucas locadoras que ainda resistem à Netflix”. “Sensacional; diversão e lazer dos meus fins de semana. Elenco de arrasar quando se fala de funcionários! Show”. “Filmes novos e um excelente atendimento. Gosto muito!”. Essas são algumas das resenhas que o público cativo da Take Vídeo posta em sua fanpage. Em tempos de serviços de streaming ganhando cada vez mais o mercado, como é o caso da Netflix, é engraçado ler – justamente via uma plataforma online – a admiração dos clientes pelo serviço prestado, e é de se admirar quando um negócio resiste às mudanças de hábito da população.

Comandada pelo engenheiro Overland Cruz, a Take Vídeo Locadora existe há mais de 18 anos e conta com um acervo de mais de 35 mil filmes. Muita gente acredita que não existam mais locadoras de filmes na cidade, mas o empresário veio mostrar que continua de portas abertas, esperando passar o hype do vídeo on demand – que acredita ser seu grande inimigo atualmente.

Há quantos anos você tem a locadora?

Venho desde o VHS. Já tem mais de 18 anos no mercado. Sou engenheiro. Quando Quando comprei a locadora, não entendia nada. Comprei para deixar o investimento para minha família. Comprei com funcionário e tudo. Chegou no fim do mês, um deles vira para mim e diz: “Seu Overland, precisa comprar filme”. E eu, “Mas já tem filme aí”. Era ignorância e inocência. Comprei com mil filmes, mas soube que por volta de 200 eram piratas. Mandei queimar tudo que não era legal e fiquei com 800 filmes.

Leia também:Nova temporada de ‘Narcos’estreia em setembro na Netflix

A Netflix é sua maior concorrente?

Não. É lógico que tudo atrapalha, mas não é o que mais atrapalha. Nem a pirataria, até isso acabou. O brasileiro gosta de novidade, de estar na onda, somos consumistas. Quando veio a pirataria, a população toda foi atrás dela. Eu fui ameaçado de morte duas vezes por lutar contra. A pirataria iniciou o processo de declínio das locadoras. Todos os bairros tinham uma. Mas a pirataria detonou esse processo, em toda calçada tinha um cara vendendo DVD. Aí veio a Netflix, que foi a mesma coisa, mas as pessoas acabaram percebendo que lá não tem os mesmos filmes que tem na locadora.

Então qual é a vantagem da locadora?

A Netflix até nos ajuda, pois filmes que estavam em cartaz lá, e eles tiram, continuam em cartaz na locadora. Essa é a nossa vantagem, sempre vai ter no nosso acervo. Se você quiser assistir “O Jardineiro Fiel”, você vai rodar, mas não vai encontrar – só aqui na locadora.

Qual é o acervo da Take Vídeo?

Locadora tem mais e 35 mil dvd’s – Arthur Castro

Temos 35 mil filmes. Sem incluir as séries. Se não é a novidade da Netflix, nem a pirataria, qual é o grande vilão dessa história? Na minha opinião, chama-se TV paga, como o Net Now, que oferece locação de filmes simultânea com nossos lançamentos. O mercado de vídeo sempre funcionou assim: o filme é lançado nos cinemas exclusivamente, tempos depois ia para a locadora. O intervalo de um para outro é chamado de “janela”, a própria Ancine utiliza esse termo. Depois ia para TV paga chamada On Demand – que não respeita a “janela” – e depois ia para a TV aberta. O mercado funcionava muito bem dessa maneira, porque as “janelas” eram respeitadas, e todos usufruíam das “janelas”, cada um no seu mercado.

Então o que aconteceu?

Saía um lançamento que o cliente queria assistir, mas não tinha tempo de ir ao cinema. Ele pensava, “Ah, vou esperar ir para a locadora”. Ou então, “Já tenho TV a cabo, vou esperar estrear na HBO”. Não havia problema, pois havia público para todos os segmentos. Filme mais ou menos, comprava três cópias, filme ruim eu comprava duas, filme bom, eu comprava dez. Com a crise da pirataria, as locadoras foram fechando, e houve uma queda no faturamento das locadoras, foi quando a maioria fechou. Em Manaus, todas fecharam, só sobramos nós. Lutei em todas as instâncias para combater a pirataria, na Polícia Federal, ia para a Câmara Municipal, eu dava minha cara a tapa. O faturamento das locadoras caiu, assim como o das distribuidoras. Dessa maneira, as distribuidoras de filmes buscaram outras formas de faturamento, e nessa busca, eles acabaram desrespeitando a “janela”. E é a “janela” que garante o funcionamento do mercado.

E o que as distribuidoras fizeram?

Elas começaram a lançar, simultaneamente, nas locadoras e On Demand. Essa semana, recebi três filmes conhecidos, os blockbusters, mas eles já estão no Now. O cliente paga mais caro, mas não sai de casa para alugar, para depois ter que vir aqui devolver. Estou resistindo aqui, esperando que essa onda estabilize. Agora, comparando uma cidade como Boa Vista, em Roraima, que tem 450 mil habitantes e tem seis vídeo locadoras. Manaus, que tem 2 milhões de habitantes, tem apenas uma.

Qual seria a solução?

Vamos falar de hipóteses e quebrar a “janela” de proteção do cinema: ao invés de esperar três ou quatro meses para um filme chegar até a locadora, que as distribuidoras lancem aqui e nos cinemas simultaneamente. O consumidor vai poder escolher entre assistir um lançamento no conforto de casa, podendo pausar o filme quando quiser, ou ir até o cinema, tendo que gastar com gasolina, pipoca, estacionamento. Acredito que a maioria iria preferir vir até a locadora. E foi isso que aconteceu. Eles quebraram a “janela” da locadora, lançando os filmes para a TV paga e para nós, e isso acabou quebrando nosso mercado. E não acho que as empresas de vídeo on demand devam parar de alugar, não, mas só gostaria que as distribuidoras voltassem a respeitar a nossa “janela”.
No auge das locadoras, algumas grandes redes vieram para Manaus. Como você reagiu quando 100% Vídeo ou

Blockbuster chegaram?

Take Vídeo é conhecida por trazer filmes que estão fora do circuito da grande mídia – Arthur Castro

Sentimos um receio, mas elas não vingaram. Naquela época, eu era a maior locadora de Manaus, de maior acervo e referência. Minha filha diz que os amigos delas comentam que a Take Vídeo fomentou o filme cult em Manaus.
Realmente, a Take Vídeo é conhecida por trazer filmes que estão fora do circuito da grande mídia, de filmes independentes. Eu notei que as locadoras só compravam os filmes comerciais, os blockbusters. Em conversas com meu funcionário, ele me dizia que ninguém alugaria determinados filmes. Mas colocando na ponta do lápis, descobri que dava para alugá-los sim. Então comecei a comprar filmes independentes, que uma parte da população buscava, mas não encontrava. Até cinco anos atrás, a gente tinha aqui, mas a queda do mercado fez com que os escritórios de representações saíssem daqui – Columbia, Warner, Paramount. Resultado: aqui não tenho mais como comprar. Agora compro de uma representação localizada em Fortaleza, que compra das distribuidoras e ela oferece para mim, e só posso comprar o que ela compra, e não posso mais escolher o que trazer para cá.

E hoje, como é feita a divulgação dos lançamentos?

Eu te garanto que, de dez amigos seus, uns seis não sabem que ainda existe locadora em Manaus. Muita gente acha que, porque a locadora do seu bairro fechou, todas as outras fecharam também. Hoje utilizo o WhatsApp para mostrar aos meus clientes as novidades da loja. Envio a capa do DVD, uma sinopse do lançamento e o link para o trailer. O meu público é formado por pessoas de meia-idade para cima.

2 Comments

2 Comments

  1. Regina

    28 de setembro de 2017 at 03:01

    Eu discordo que em Manaus só tem uma locadora no bairro do São Jorge tbm tem uma antiga que até hj funciona normalmente.

  2. Célio

    24 de setembro de 2017 at 10:54

    Só faltou colocar o endereço da locadora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir