Esportes

Vice-presidente do Fast avalia participação do Rolo Compressor no ‘Barezão’

São 44 anos de fila, sem conquistar o Campeonato Amazonense. Neste ano, a vaga na decisão acabou sendo perdida nos 20 minutos finais do segundo jogo da semifinal diante do Princesa do Solimões. Essa parece ser a sina do Fast, tão perto, mas ao mesmo tempo tão longe. Como explicar mais uma derrocada do time que, aos 34 jogados da etapa final, viu o sonho quebrar tal jejum ruir?

O vice-presidente do Rolo Compressor, Cláudio Nobre, avaliou a participação do Tricolor como positiva. Segundo ele, a expulsão do atacante Charles aos 20 minutos do segundo tempo, foi fator determinante para a queda do Fast na semifinal do Barezão 2015.

“A participação do Fast só não foi melhor, porque, infelizmente, nós não chegamos à final. Naqueles 20 minutos que faltavam para terminar (o jogo contra Princesa), no momento em que o Charles foi expulso, o time teve um posicionamento muito difícil e tomamos aqueles dois gols, que nos tirou da final. A campanha demonstrou que a gente poderia estar na final. Fomos a equipe com melhor ataque, segunda defesa menos vazada, montamos uma estrutura como a dos últimos dez anos em que o Fast tem brigado por esse título. Infelizmente futebol é assim”, disse o dirigente.

Jogadores conhecidos do futebol local, como Charles, Felipe, Michell Parintins, Rosembrick, Roberto Dinamite, Rondinelli, Márcio Abrahão, Ediglê e Labilá, não foram suficientes para tirar o Fast da fila. De acordo com Nobre, a passagem à decisão colocaria o Tricolor em condições de igualdade com o Leão da Vila Municipal.

“Em 20 minutos nós saímos da final e nela tudo podia acontecer. O Nacional está com uma vantagem grande e pode ser campeão. A gente já tinha ganhado deles uma vez e perdido outra, ou seja, tudo podia acontecer apesar da vantagem deles. Mas, futebol é isso. Nós fizemos uma equipe mais barata do que a do ano passado, apesar de ser melhor, na ótica da direção. E perdemos ali a vantagem e a chance de chegar à final”, explicou Nobre.

Sem querer revelar o valor da folha salarial do elenco tricolor, o vice-presidente do Fast agora aguardar o dinheiro prometido pelo governador, que pode sair até sexta-feira (19), para quitar as pendências com fornecedores e atletas. Apesar das dificuldades enfrentadas neste primeiro semestre, Nobre avisou que vai disputar a Copa Amazonas – competição que permite o campeão a disputa da Copa Verde do ano que vem – nem que seja com o time de juniores.

 

Por André Tobias equipe EM TEMPO

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir