Esportes

Vestiário do estádio da Colina é depredado após jogo entre Fast e Princesa

Um dos vestiários do estádio Ismael Benigno, conhecido como ‘Colina’, foi destruído após a partida que garantiu a vitória do Princesa sobre o Fast, realizada neste domingo (7), e que valia uma vaga para a final do Campeonato Amazonense 2015.

A informação é do diretor-presidente da Fundação Vila Olímpica (FVO), Aly Almeida, que em entrevista a uma rádio local na manhã de hoje (8), disse que janelas, portas e armários foram depredados por ‘jogadores’.

Segundo o presidente, a entidade documentou todos os prejuízos e vai conversar com os clubes para saber quem foi o responsável pelos atos.

“Os clubes não pagaram o quadro móvel, nem arbitragem e foram embora com o dinheiro. Primeiro vamos conversar com eles para repararem os danos, se não arcarem com os prejuízos entraremos com uma ação na justiça. Porque, é um bem público e não vamos aceitar esse tipo de prática. Não é esse o perfil de atletas que nós queremos. Precisamos que tenham consciência que aquele local vai ser usado também por outras pessoas”, comentou.

Conforme Almeida, um relatório está sendo feito para apurar qual time foi responsável pelo ‘ato de vandalismo’ e qual o valor dos prejuízos causados. “Eu não tenho como confirmar qual time foi responsável pelo ato, mas amanhã o relatório chega às minhas mãos. Vamos esperar até também para calcular de quanto será os prejuízos”, disse.

O diretor-presidente afirmou ainda que atos como estes já aconteceram e lembrou de uma situação similar ocorrida no ano passado, durante o Campeonato Amazonense de Futebol Juniores. Como a FVO tinha cedido os estádios para as disputas, teve que assumir todo o prejuízo.

Quadro móvel

Referente ao não pagamento do quadro móvel pelos clubes, Almeida informou que a taxa é responsabilidade dos clubes com o bem público. “O quadro móvel está regulamentado no Estatuto do Torcedor, na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e pela Federação Amazonense de Futebol (FAF). Esse valor é repassado para cuidados com os estádios, como em limpeza, hidráulica e elétrica. Se as pessoas que são responsáveis por esses serviços não existissem, seria impossível a realização dos jogos”.

O vice-presidente do Nacional Fast Clube, Cláudio Nobre, informou ao EM TEMPO Online que vão ver quais foram os prejuízos causados no vestiário e que vão arcar com todos.

“Vamos primeiro ver quais foram os danos para poder pagá-los. Agora em relação ao quadro móvel, não efetuamos o pagamento porque não temos dinheiro. Ainda estamos esperando a liberação de repasse do governo estadual”, alegou.

A reportagem tentou entrar em contato com representantes do Princesa do Solimões Esporte Clube, mas não obteve resposta.

Por Kattiúcia Silveira (equipe EM TEMPO Online)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir