Política

Vereadores e deputados articulam troca de partido

Os vereadores Joelson Silva e Hiram Nicolau afirmam que vão mudar de partido neste mês de março – fotos: divulgação

Os vereadores Joelson Silva e Hiram Nicolau afirmam que vão mudar de partido neste mês de março – fotos: divulgação

A partir desta quarta-feira (2) até o dia 2 de abril, parlamentares que estejam insatisfeitos com suas respectivas legendas poderão trocar de partido, conforme prevê a emenda constitucional promulgada pelo Congresso Nacional, com base na minirreforma eleitoral, sancionada no final de 2015 pela presidente, Dilma Rousseff (PT) e sem nenhum prejuízo ao mandato.

Na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), os deputados estaduais desconversaram a respeito da mudança de partido político. Até ontem, nenhum havia confirmado, oficialmente, que mudará de sigla com base na “janela eleitoral” aberta de hoje até o dia 30 deste mês.

Na Câmara Municipal de Manaus (CMM), por exemplo, entre 17 dos 41 vereadores consultados, apenas três declararam a intenção de mudar de partido. A maioria afirmou que vai permanecer em suas siglas e disputar a reeleição, porque se “identificam com a ideologia partidária”.

O vereador Joelson Silva (PHS) usou a tribuna, ontem, para formalizar sua saída do PHS, depois de 8 anos de filiação, para se filiar ao Partido Social Cristão (PSC), nos próximos dias. “Está confirmada a minha saída não por insatisfação, mas por encaminhamento. No PHS apesar de eu ter obtido na última eleição 7.177 votos ficando atrás apenas do presidente do partido Wilker Barreto, existe dificuldades de eu ficar no partido pelo fato de ser suplente”, disse o parlamentar, que vai tentar a reeleição do mandato.

Já o primeiro vice-presidente do Legislativo, Hiram Nicolau, afirmou que vai sair do PSD porque está insatisfeito com a direção de seu partido. Ele afirmou que até o dia 18 deste mês deixa a sigla para se filiar em outra legenda, mas não adiantou qual partido.

“Estou pensando em mudar de partido porque eu não sou caco de vidro para ficar em cima do muro. Sou da base aliada e apoio o prefeito Artur Neto (PSDB) desde o primeiro dia que entrei na Câmara. Por isso estou pensando em mudar porque não sei qual será a posição do partido nesta eleição. Infelizmente o PSD não discute os rumos do partido com os vereadores e não posso ficar à mercê de um partido comandado por uma pessoa apenas”, afirmou Nicolau.

Já Isaac Tayah (PSD), admitiu a possibilidade de mudar de partido por opção de coligação, embora reconheça que pretende continuar marchando com o senador do Amazonas, Omar Aziz, líder do PSD regional. “Isso é um jogo de xadrez e tem que ser bem analisado. Se mudar será por uma questão de coligação. Não tenho nenhum interesse em relação a sigla. Já fui sondado por outros partidos e hoje não podemos deixar de avaliar o que é legal. Hoje eu só poderia sair para um partido novo ou se fosse expulso do partido o que não é o caso”, disse Tayah.

por: Augusto Costa e Camila Carvalho

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir