Mundo

Venezuela terá inflação de 720% e queda de 8% no PIB em 2016, diz FMI

Após o cancelamento do voo que levaria López de Caracas a San Cristóbal, o promotor diz ter sido despachado de volta à capital- foto: divulgação

Após o cancelamento do voo que levaria López de Caracas a San Cristóbal, o promotor diz ter sido despachado de volta à capital- foto: divulgação

O FMI (Fundo Monetário Internacional) informou nesta sexta-feira (22) que a inflação na Venezuela deverá chegar a 720% em 2016, mais que o dobro da estimativa do fundo para o índice do ano passado.

Segundo o diretor do FMI para o Hemisfério Ocidental, Alejandro Werner, a principal causa para a nova forte elevação dos preços deverá ser a crise econômica e o desabastecimento no país governado por Nicolás Maduro.

Na avaliação do fundo, a situação econômica, agravada pela queda brusca do preço do petróleo -principal produto de exportação venezuelano-, farão o PIB (Produto Interno Bruto) do país sofrer uma queda de 8%.

A previsão é de retração menor que a prevista para 2015, período para qual o FMI estima um crescimento negativo de 10%. Com isso, a Venezuela sofrerá em dois anos uma redução de 18% no total de suas riquezas.

Em relatório, Werner afirmou que as distorções na política econômica e fiscal venezuelanas já estavam provocando prejuízos à economia antes da queda do preço do petróleo, apontada pelo governo como uma das causas da crise.

“A falta de moeda estrangeira teve como efeito escassez de bens intermediários e desabastecimento generalizado de bens essenciais, incluindo alimentos, que tiveram a consequências trágicas.”

Os resultados finais do ano passado ainda não foram divulgados pelo governo venezuelano. Segundo o Banco Central local, a variação em 12 meses do índice de preços ao consumidor chegou a 141,5% em setembro.

Na estimativa do governo, os números entre janeiro e dezembro deverão ficar perto de 200%. O FMI prevê que a cifra no mesmo período chegue a 275%, acima das previsões da administração local.

Recessão

A recessão venezuelana deverá ser um dos fatores para que a América Latina tenha seu segundo ano de recessão em 2016, algo que não ocorre desde 1980. O principal motivo para a retração será a crise política e financeira no Brasil.

Na semana passada, Nicolás Maduro assinou um decreto de emergência econômica que prevê, dentre outras medidas, a mudança de destinação de recursos estatais e a expropriação de empresas para garantir o abastecimento.

O texto foi considerado constitucional pelo Tribunal Supremo de Justiça, mas ainda deverá passar pela avaliação da Assembleia Nacional, dominada pela oposição desde 5 de janeiro, que dá sinais de que não deve aprová-lo.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir