Economia

Vendas para a ceia de Natal estão tímidas

Gerentes e proprietários de supermercados da cidade ainda estão receosos para iniciar as vendas dos itens para a ceia de Natal devido à crise - foto:divulgação

Gerentes e proprietários de supermercados da cidade ainda estão receosos para iniciar as vendas dos itens para a ceia de Natal devido à crise – foto:divulgação

Mesmo com a proximidade das festas de fim de ano, os itens mais procurados para compor a ceia natalina, como peru, bacalhau e pernil, ainda não ganharam destaque nas prateleiras dos supermercados de Manaus. A expectativa de gerentes desses estabelecimentos é de que os produtos estejam disponíveis a partir da próxima sexta-feira (20).

De acordo com o gerente do setor de alimentos do supermercado Carrefour, no bairro Flores, Zona Centro-Sul, Cristóvão Firmino, o estabelecimento ainda não está comercializando os produtos que compõem a cesta natalina. Dos itens alimentícios mais procurados, ele afirmou que apenas o panetone já chama a atenção da clientela. “Ainda não estamos colocando para venda e nem temos previsão de quando isso irá acontecer. Ainda não compramos produtos de revenda para a ceia de Natal, acredito que no próximo dia 20 chegue alguma carga aqui”, disse Firmino, ao destacar que o mercado com projeções fará com que os preços sofram alterações.

“Quando chegarem os produtos nós vamos analisar quais preços serão praticados. Neste ano tivemos aumentos de impostos e isso vai pesar no preço final”, afirmou.

No hipermercado DB Paraíba, a situação é similar. Os produtos da cesta natalina ainda não estão disponíveis – com exceção do panetone -, e, de acordo com uma das funcionárias do estabelecimento ainda não há previsões para a chegada dos produtos.

A funcionária lamentou, também, os reajustes que alguns dos itens da cesta de Natal sofrerão. “Infelizmente preços serão reajustados, pois a crise está afetando os consumidores e também aos supermercados. Todo ano tem alta de preço, mas desta vez acredito que será maior ”, enfatizou.

O aposentado Joel Moura Bianucci, 69, conta que há alguns dias percebeu que a maioria dos supermercados ainda não oferece ao cliente as opções de produtos para a ceia de Natal. Porém, ele afirmou que ainda não procura esses itens por dois motivos. “Neste ano, vou deixar para comprar próximo ao Natal. Se comprar agora tem o risco de estragar e, mesmo se já tivesse procurando e pesquisando algumas coisas, eu esperaria para comprar com preços mais em conta. Não quero gastar como antes, até porque não sabemos o dia de amanhã”, observou o aposentado, que se mostrou cauteloso com os gastos.

Impostos vão pesar

Apesar do anúncio da BRF, dona de marcas como Sadia e Perdigão, informando que os produtos como peru, pernil e chester não sofrerão aumento, os consumidores pagarão mais caro por conta dos impostos que são cobrados aos supermercados.

O economista Ailson Rezende explicou que, em função dos aumentos de diferentes produtos e serviços que estão ocorrendo no Brasil os consumidores estão cautelosos.

Ele lembrou o aumento do diesel, que influencia no preço das transportadoras. De acordo com o economista, o consumidor está temeroso e esse cenário poderá continuar no início de 2016. “Já notamos que o brasileiro colocou bruscamente o pé no freio. Com toda essa retração, o comerciante passou a também comprar menos para que os produtos da cesta natalina não estraguem. O comerciante espera uma reação do mercado para não ter prejuízo”, explicou.

O economista destacou ainda que a energia elétrica aumentou para o uso doméstico 38,8%, mas para o comércio subiu 39,10%, e para a indústria foi para 42,5%. De acordo com ele, os aumentos, gradativamente, serão repassados ao consumidor. “É uma reação em cadeia, a avalanche de impostos faz com que o comerciante aumente o preço, com isso o consumidor se retrai, fazendo com que o comerciante comece a comprar menos para a revenda”, disse.

Por Asafe Augusto

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir