Dia a dia

Vazante do rio Negro será maior que anteriores, informa CPRM

Estimativa da cota média do rio Negro para este ano, segundo a CPRM, seria de 27,57 metros : Alberto César Araújo (Arquivo Em Tempo)

Estimativa da cota média do rio Negro para este ano, segundo a CPRM, seria de 27,57 metros : Alberto César Araújo (Arquivo Em Tempo)

Com a cota de 27,13 metros registrada ontem (5), pelo Departamento Hidrológico do Porto de Manaus, o nível do rio Negro, mesmo que estável neste início de seca, já indica que este ano a vazante deverá ser superior à dos anos anteriores, conforme a previsão do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

De acordo com o terceiro e último relatório das cheias dos rios, divulgado pelo órgão no dia 31 de maio, com o fenômeno climático El Ninõ perdendo força e deixando de atuar nos oceanos, fator que contribui para a subida e descida dos rios da Amazônia, a previsão do órgão, na ocasião, era a de que a cheia do rio Negro para este ano alcançasse a cota de 27,57 metros.

De acordo com o superintendente da CPRM, Marco Antônio Oliveira, o rio Negro já atingiu o pico da cheia e começou de forma bastante lenta o processo de seca. Para o especialista em meteorologia, o melhor cenário pode ser visto na calha central, onde concentra os rios Purus, Madeira e Juruá, que apresentam o processo franco de vazante.

“Podemos considerar estáveis o processo de vazante dos rios do Amazonas, exceto os da região do Alto Rio Negro, principalmente o do município de São Gabriel da Cachoeira, que ainda continua no processo de cheia. Neste primeiro momento, em que a seca ainda acontece de forma muita tímida, com a descida do nível do rio bem lento, não podemos afirmar nada. Mas a nossa previsão é de que a vazante seja mais severa do que as registradas nos anos passados”, destacou Marco Antônio.

Clima

Após nove dias de calor intenso, o manauense foi surpreendido com chuva na manhã de ontem, o que pode ocorrer também pelos próximos dias, conforme a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Na estação meteorológica do órgão, situada em sua sede, entre as avenidas Mário Ypiranga Monteiro (antiga Recife) e a Maceió, no bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul, o acumulado de chuva, das 8h da última segunda-feira (4) até as 8h de ontem, foi de 12 milímetros.

“Não chovia em Manaus desde o último dia 26. Agora existe, sim, a possibilidade de chuvas em áreas isoladas nos próximos dias, chuvas consideradas normais para esta época do ano”, destacou o meteorologista do Inmet, Gustavo Ribeiro.

Por Gerson Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir