Dia a dia

Vacinação contra a gripe atinge 87,87% na capital e campanha continua até 3 de junho

A capital amazonense atingiu a marca de 87,87% na vacinação contra a gripe (Influenza) nesta sexta-feira (22) totalizando 313.616 doses aplicadas. O trabalho, agora, consiste em continuar imunizando pessoas do grupo prioritário, especialmente crianças menores de 5 anos e gestantes, uma vez que idosos, indígenas aldeados, a população carcerária,  trabalhadores em saúde, puérperas (até 45 dias após o parto), grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais já foram imunizados dentro da meta.

Manaus se mantém no resultado histórico de sucesso em campanhas de vacinação e mesmo com o saldo positivo, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) continuará com a pós-campanha até o dia 3 de junho, como acontecerá em vários municípios brasileiros, seguindo recomendação do Ministério da Saúde (MS).

“Atingimos a meta em Manaus ainda no período da campanha de vacinação e vamos estender até o dia 3 de junho para fazer a cobertura, com a nova meta de usar todas as 400 mil doses disponíveis”, enfatizou o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto.

As doses para o grupo prioritários continuarão disponíveis em 171 unidades de saúde no município para cumprir estratégia de vacinação, com chamado especial para crianças menores de 5 anos e gestantes, que marcaram percentual de alcance de 75,31% e 77,04%, respectivamente.

“Convocamos essas pessoas a buscarem a imunização, pois assim evitamos que a doença se manifeste de maneira agressiva nessas pessoas consideradas em alto risco como já ocorreu no passado”, ressaltou a chefe da Divisão de Imunização, Isabel Hernandes.

Em Manaus, a campanha de vacinação começou no dia 27 de abril, quando a Semsa passou a oferecer a vacina em 171 unidades de saúde na capital. A meta era imunizar no mínimo 80% do público-alvo para o município, dentro de um universo total estimado em 356.916 pessoas.

Sintomas

Os vírus da influenza causam doença respiratória aguda, denominada influenza ou gripe, caracterizada clinicamente por febre alta, calafrios, cefaleia, mal-estar, mialgia e tosse seca. Conjuntivite, dor abdominal, náusea e vômitos são frequentes. Em crianças pequenas, o quadro clínico pode simular uma sepse. O mal-estar geral pode persistir por vários dias e até mesmo semanas. Pode ocorrer miosite – inflamações musculares -, com dores musculares e dificuldade de andar.

Entre as complicações que podem ocorrer destacam-se a pneumonia, viral ou bacteriana, e a síndrome de Reye, que se caracteriza pela presença de encefalopatia grave, mais comumente observada em escolares, muitas vezes em associação com o uso de ácido acetilsalicílico (aspirina). As pessoas idosas e aquelas com doenças de base têm maior risco de complicações.

Com informações da assessoria de comunicação

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir