País

USP decide selecionar 14% de suas vagas por meio do Enem

A USP decidiu nesta terça-feira (23) aderir ao Sisu – sistema federal de seleção de calouros, baseado na prova do Enem. A universidade destinará 14% de suas vagas à iniciativa.

Cerca de 10% dos postos serão destinados apenas para quem se formou no ensino médio público.

As demais 86% das vagas continuarão escolhidas por meio do vestibular da Fuvest.

Ficarão de fora do Sisu cursos tradicionais da capital, como medicina, engenharia e administração.

Por outro lado, entrarão no Sisu relações internacionais (20% das vagas), direito (20%) e pedagogia (30%).

Cada unidade teve liberdade para decidir se entraria no sistema, quantas vagas seriam destinadas e se haveria reserva para públicos específicos.

Havia três opções: vagas para qualquer formado no ensino médio; para formados nas escolas públicas; e pretos, pardos e indígenas formados na rede pública.

Os dois últimos grupos somam 10% de todos os postos do próximo ano.

A oficialização do processo foi feita em votação no Conselho Universitário, instância máxima da escola.

Desde que tomou posse, no ano passado, o reitor Marco Antonio Zago defende que a USP deve diversificar seu processo de seleção de estudantes de graduação.

Para ele, a prova da Fuvest é eficiente, mas pode deixar de fora estudantes com bom potencial. O Enem é conhecido por exigir mais raciocínio e menos conteúdo, comparado ao exame da Fuvest.

Por outro lado, há o temor em parte da instituição de que entrem alunos menos preparados para os cursos da melhor universidade do país.

O diretor da Faculdade de Medicina, José Otavio Auler Júnior, afirmou, por exemplo, que “a Fuvest já é consolidada. O Enem necessita de mais tempo para se consolidar”.

O Enem foi reformulado em 2009, para passar a selecionar calouros para universidades. O exame já enfrentou problemas como vazamento de prova e impressão errada de gabarito.

No Sisu, o aluno usa a nota no Enem para disputar postos em universidades, principalmente federais, no país todo.

Segundo o governo federal, essa possibilidade de mobilidade é uma das principais vantagens do seu sistema.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir