Eleições 2016

UEA recebe candidatos à prefeitura de Parintins para debate; vices são impedidos e gera tumulto

debate-na-uea-iziel-pimentel

Bi Garcia, Adson Ribeiro e Messias Cursino participaram do debate na UEA – foto: Iziel Pimentel

Três candidatos à prefeitura de Parintins (distante 369 quilômetros de Manaus) participaram de um debate promovido pelo Centro de Estudos Superiores de Parintins (Cespe/UEA) na noite de quarta-feira (28).

Bi Garcia, da coligação ‘Pra Parintins voltar avançar’; Adson Ribeiro, da Rede Sustentabilidade e Messias Cursino, do PDT/PSB discutiram sobre educação, cultura, infraestrutura, meio ambiente, segurança, turismo e assistência social.

O mediador do debate foi o professor da Universidade Federal do Amazonas, Alexsandro Medeiros.

Antes de iniciar o debate, houve um impasse. As candidatas Márcia Baranda, da coligação ‘Pra fazer diferente’, e a prefeiturável do Psol, Maria Altair Navegante, enviaram como representantes seus respectivos candidatos à vice.

Porém, segundo os coordenadores do debate, a regra discutida e aprovada previamente pelos representantes das coligações proibia a participação dos candidatos à vice.

Os dois candidatos à vice, Lázaro Teixeira e Dietrich Esmaile Mendes deixaram o auditório protestando contra a coordenação do debate eleitoral.

“Eu quero denunciar que fui censurado dentro da minha casa, fui aluno e sou professor aqui na UEA e sou posto pra fora dessa forma, não posso participar do debate”, disse Teixeira, afirmando que sempre representou Baranda em outros debates. “Representei na Rádio Alvorada, nas comunidades polo onde realizaram debates e aqui, justamente aqui na universidade, sou impedido, sou censurado”, disse.

Dietrich Esmaile disse que não constava no documento enviado ao partido a regra que excluía a participação do vice no debate. “Você pode procurar. Estou com o documento enviado para o partido e isso não existe. É censura absurda”, afirmou.

O professor Eliseu Souza, coordenador-geral do debate promovido pela UEA, disse que a regra foi amplamente discutida há dois meses com todos os coordenadores das coligações.

“A população quer ouvir o candidato a prefeito e não o vice. Eles discutiram, aprovaram e assinaram a regra que não pode ser mudada de uma hora pra outra. Se as candidatas não vinham, teriam que, pelo menos, comunicar a coordenação com antecedência para que pudéssemos fazer uma consulta às demais coligações”, disse Eliseu.

Por Tadeu de Souza

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir