Economia

UEA inaugura laboratório para estudos climáticos na Amazônia

Quantificar o papel do aumento dos gases do efeito estufa e das mudanças no uso e cobertura da terra nos recursos hídricos da Bacia Amazônica será possível com os estudos do Laboratório de Modelagem do Sistema Climático Terrestre na Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Estado do Amazonas (EST/UEA). A inauguração do espaço será realizada nesta quarta-feira (13), no auditório da EST, a partir das 12h.

A aquisição do Laboratório de Modelagem do Sistema Climático Terrestre, financiado com recursos provenientes da Agência Nacional de Águas (ANA), corresponde um marco para o desenvolvimento de pesquisas científicas na Universidade nas áreas de Clima e Mudanças Climáticas na Amazônia. O laboratório foi adquirido por meio de recursos do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).

Segundo o coordenador do Laboratório, Francis Wagner Correia, será possível auxiliar na elaboração de diferentes cenários de projeções de impactos futuros no clima, associados às ações de identificação dos riscos e vulnerabilidade em diversos setores e contribuirão para a elaboração de políticas públicas de mitigação e adaptação de eventos extremos tais como: secas e enchentes, a fim de melhorar a capacidade de resposta e governança em cenários de maior variabilidade e mudança climática.

O desenvolvimento das pesquisas será realizado em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e com o Instituto de Pesquisas Hidráulicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IPH-UFRGS). As simulações numéricas serão realizadas tanto no Laboratório de Modelagem do Sistema Climático Terrestre da UEA como no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

“Esse laboratório corresponde a um Sistema de Processamento Auto Desempenho ‘Cluster Higth Performace Computing’ no qual serão integrados numericamente modelos matemáticos fundamentados em equações diferencias que representam de forma integrados diferentes componentes do sistema climático (atmosfera, litosfera, hidrosfera, biosfera e criosfera) e a interação entre os componentes, além dos processos físicos, químicos e biológicos que governam o clima e suas variações”, alegou Francis Wagner Correia. Além das projeções futuras no clima e avaliação dos impactos associados, o laboratório também contribuirá na formação e capacitação de alunos de graduação e pós-graduação na UEA.

“Os alunos poderão desenvolver as atividades práticas das disciplinas de modelagem numérica (Previsão Numérica de Tempo, Modelagem Climática, entre outras) no laboratório. Os alunos de pós-graduação do Programa Clima e Ambiente (CLIAMB) também terão oportunidade de desenvolver suas pesquisas de mestrado e doutorado no Laboratório de Modelagem”, afirmou Francis Wagner Correia.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir