Política

TRE planeja cadastrar um milhão de eleitores em seis meses

Recadastramento biométrico para tornar apto o voto digital em Manaus tem prazo para acabar em janeiro de 2016, dois meses antes do estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)- foto: divulgação/TRE

Recadastramento biométrico para tornar apto o voto digital em Manaus tem prazo para acabar em janeiro de 2016, dois meses antes do estipulado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)- foto: divulgação/TRE

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) estipulou uma meta ousada para encerrar o recadastramento biométrico dos eleitores de Manaus: em janeiro do próximo ano, dois meses antes do que o prazo dado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) à todas as cidades onde estão ocorrendo o cadastro.

Mas a meta, além de ousada, também conta com a sorte. É que a capital amazonense possui 1.257.791 mil eleitores aptos a votar e, conforme estatística do TRE apenas cerca de 160 mil já realizaram o procedimento. Ou seja, quase um milhão de eleitores ainda precisam se recadastrar dentro de seis meses.

Para correr com o prazo e cobrir toda a cidade de Manaus com o voto biométrico para as eleições de 2016, a presidente do tribunal, desembargadora Socorro Guedes, tomou a iniciativa de fechar parcerias com o governo do Estado, empresas privadas e até mesmo com o Poder Legislativo municipal, num esforço conjunto para alcançar a meta e ampliar o atendimento à população com a instalação de postos descentralizados para a captura das digitais.

“O desafio da nossa gestão é fazer a biometria de toda Manaus. A biometria é uma meta do TSE para o Brasil inteiro, mas envolve recursos, capacitação. O Tribunal Superior percebeu que motivar a biometria para todas as regionais iria requerer muito recurso e o novo ministro, Dias Toffoli, disse que ocorreria de forma ordinária, à medida que o eleitor buscasse o cartório eleitoral”, explicou Socorro Guedes.

Até o final do ano, a desembargadora adiantou que serão instalados 11 postos de atendimento fora da sede do tribunal. Desse total, seis já estão em funcionamento. Socorro aposta numa média de atendimento diário em torno de dez mil eleitores e 130 mil por mês após a abertura de dois postos-âncoras: no Clube do Trabalhador, no Coroado, Zona Leste e, na Arena da Amazônia, na avenida Constantino Nery, Zona Centro-Oeste. Ambos terão 40 guichês cada um.

Hoje os locais em funcionamento são: sede do TRE no Aleixo, Zona Sul; a Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social (AADES), na rua Major Gabriel, Praça 14, Zona Sul; Centro de Convivência do Idoso da Aparecida, Zona Oeste; posto Itinerante no PAC do shopping Cidade do Leste, Zona Leste; PAC do Shopping Via Norte, Zona Norte. Estes dois últimos funcionam das 8h às 17h.

A presidente do tribunal lembra que a cidade de Manaus não estava no roteiro do TSE para o recadastramento biométrico, mas suas gestões junto ao presidente do órgão máximo da Justiça Eleitoral, ministro Dias Toffoli, surtiram efeito. “Ele não só liberou Manaus para o recadastro como também autorizou recursos financeiros para a ação, liberando os R$ 2,4 milhões de uma única vez”, disse.

Mesmo tendo recursos em caixa, frisou Socorro, o valor liberado seria insuficiente se não fossem as parcerias com outros órgãos para viabilizar o recadastramento digital. Ela revelou que o recurso repassado pelo TSE equivale a R$ 1,99 por eleitor.

“O número de servidores que temos em todo o regional é de 400, o que não seria suficiente para atender a demanda. Então fizemos um convênio com a Agência Amazonense de Desenvolvimento Econômico e Social e tivemos a possibilidade de selecionar 350 estagiários que já estão trabalhando efetivamente”, ressaltou.

Uma das dificuldades encontradas pelo tribunal, segundo a presidente é que ainda existem pessoas que não tem acesso a internet e dessa forma não consegue fazer o agendamento para o cadastro. “Nesse caso, recomendamos que essa pessoa compareça a qualquer um dos nossos postos, onde teremos um servidor que dará todas as informações e fará o agendamento desse eleitor.

Provavelmente não poderá fazer naquele momento a biometria, mas terá o agendamento”, orientou. Socorro ressaltou que aquele eleitor que não fizer o recadastramento biométrico não poderá votar nas eleições de 2016 e terá o título cancelado.

Biometria gradativa no interior

Com relação aos municípios do interior, apenas os três municípios da Região Metropolitana de Manaus (RMM), Careiro Castanho, Silves e Autazes ainda podem ter o cadastro concluído. Os demais municípios terão o cadastro de forma gradativa.

“Se tivermos tempo necessário, gostaríamos de fechar as três zonas da região metropolitana. Já estamos conversando com os juízes desses cartórios para começarmos a biometria e não apenas começar, mas concluir”, ressaltou.

A desembargadora acrescentou que a biometria vai facilitar, quando se pensa em eleições municipais, uma vez que a principal reclamação é o transporte de eleitores. “Com a biometria temos a possibilidade de acabar com a história de que um eleitor é de uma cidade e vai votar em outro. Com a biometria vai acabar isso”, justificou.

Por Moara Cabral

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir