Dia a dia

Traficante é preso com embarcação avaliada em R$100 mil em Eirunepé

A apreensão foi realizada por volta das 9h de hoje, no bairro Perpétuo do Socorro, localizado no município - foto: divulgação

A apreensão foi realizada por volta das 9h de hoje, no bairro Perpétuo do Socorro, localizado no município – foto: divulgação

Uma embarcação utilizada como posto de combustível fluvial foi apreendida, na manhã desta quarta-feira (13), pela Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Eirunepé (a 1.160 quilômetros de Manaus). O barco pertencia a José Francisco Oliveira de Jesus, 38, conhecido como ‘Cabeludo’, preso em novembro do ano passado por tráfico de drogas.

De acordo com o delegado titular, Jony Leão, ‘Cabeludo’ teria adquirido a embarcação com o dinheiro arrecadado durante a comercialização de drogas no município. Após a prisão do suspeito, as investigações se concentraram na procura de bens oriundos da atividade ilícita.

“O barco que apreendemos está avaliado em R$ 100 mil reais e foi comprado de comerciantes locais por R$ 85 mil”, explicou a autoridade policial.

A apreensão foi realizada por volta das 9h de hoje, no bairro Perpétuo do Socorro, localizado no município. Conforme o delegado, a embarcação foi encaminhada ao Comando da Marinha, situado na Rua Felipe Cunha, no Centro de Eirunepé.

“As investigações terão continuidade e há indícios de que o suspeito possua mais bens em Cruzeiro do Sul, no Acre, onde nasceu”, afirmou o delegado.

Prisão

José Francisco foi preso por tráfico drogas no dia 6 de novembro de 2014, por volta de 17h, em Eirunepé. A prisão ocorreu na residência da companheira dele, localizada na zona urbana do município, onde o homem morava na época. A ação foi comandada pelo delegado Jony Leão e realizada por uma equipe de policiais civis e militares do município.

Na casa, os policiais encontraram R$ 15.680 mil em espécie, 50 gramas de substância com aparência de pasta base de cocaína, uma balança de precisão e petrechos para embalo dos entorpecentes.

Em depoimento, ‘Cabeludo’ informou que o dinheiro aprendido era proveniente da venda de entorpecentes. “Quando fizemos a abordagem, conseguimos encontrar apenas parte da droga. Ele informou que antes de ser preso, estava em uma canoa com mais dois homens identificados como ‘Miguel’ e ‘Lázaro’. Na tentativa de não serem pegos com o material ilícito, eles jogaram parte da droga no rio”, explicou o titular.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir