Dia a dia

Terceiro naufrágio é registrado em 2 dias no AM

Na embarcação que afundou só haviam dois tripulantes e um passageiro – Robernilson Teixeira/Leitor EM TEMPO

Madeiras que serviriam para reforma de casas de quatro famílias e construção de marombas na comunidade de Catalão, em Iranduba (a 27 km de distância de Manaus), afundaram junto com a embarcação, que as transportavam, no Rio Solimões, nesta terça-feira(4). Três pessoas, sendo dois tripulantes e um passageiro, estavam no barco antes de ele afundar. Esse é o terceiro naufrágio e o quarto incidente envolvendo embarcações em apenas dois dias nos rios do Amazonas.

O transportador fluvial Robernilson Teixeira, de 62 anos, contou que estava em uma lancha, levando as famílias de volta para Iranduba quando ocorreu o incidente.  Ele acompanhava o barco, que havia saído da comunidade de Catalão e levava as madeiras para o porto do município.

“Com a correnteza forte, o barco acabou afundando junto com as madeiras. Nesse momento eu estava voltando com os donos das madeiras para porto de Iranduba”.

“Ainda bem que não deixei as crianças irem no barco. Levei todos que eu pude na minha lancha”

Ainda segundo ele, ninguém ficou ferido. Imediatamente, ao perceber que o barco estava afundando, ele foi até o local e ajudou a retirar as pessoas. Até a publicação desta matéria, os donos do barco e da madeira estavam tentando salvar a carga.

“Graças a Deus, ninguém morreu. O único problema é salvar o que puder, pois a nossa comunidade precisa dessas madeiras para restruturação das casas que estão alagando”.

Segundo informações de moradores, o barco teria sido enviado pela prefeitura de Iranduba, anunciado hoje pela manhã pela Defesa Civil do município, e ainda de acordo com eles, o motivo do naufrágio seria pelo excesso de madeira das casas retiradas, e por falta de um motor bomba para conter as goteiras da embarcação.

Para os moradores que não quiseram se identificar, a prefeitura deveria ter enviado uma balsa para comportar o que foi retirado das casas, e não um barco de médio porte. As famílias que perderam as madeiras não sabem se serão indenizadas.

O EM TEMPO tentou entrar em contato com a prefeitura de Iranduba, mas até o momento não teve retorno.

Leia também: Tensão na volta de Parintins: 70 pessoas ficam à deriva no rio Amazonas

Outros naufrágios

Uma embarcação que transportava 30 bois naufragou, na manhã de segunda- feira (3), no lago Paraná do Ramos, que fica na comunidade de Cametá do Ramos, no município de Boa Vista do Ramos, a 269 Km de Manaus. Conforme informações do proprietário da embarcação e também proprietário da boiada, Custódio Ramos, 30 bois morreram afogados. Nenhum dos tripulantes da embarcação ficou ferido.

Uma lancha de pequeno porte naufragou, no fim da tarde de segunda-feira (3), no Rio Amazonas, entre as cidades de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus) e Barreirinha (a 331 quilômetros). Ninguém ficou ferido.

Bruna Chagas

EM TEMPO

Leia mais:

30 bois morrem afogados após naufrágio no Amazonas

Após 5 dias de buscas, sobrevivente de naufrágio fala da dor de não encontrar mulher e filho

Duas pessoas morrem e uma está desaparecida após naufrágio em Tefé

 

 

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir