País

Temer pede aplausos à plateia ao dizer que não irá aumentar IR

Apesar de atendido, o presidente também recebeu vaias ao final de seu discurso
Foto: Agência Brasil

Um dia após admitir estudos para aumentar a alíquota do Imposto de Renda, o presidente Michel Temer pediu aplausos ao afirmar, nesta quarta-feira (9) que o imposto não será aumentado.

Apesar de atendido, o presidente também recebeu vaias ao final de seu discurso na cerimônia de abertura do 16º Enaex (Encontro Nacional do Comércio Exterior).

“Quero dizer uma coisa para ganhar aplausos: até ontem [terça] se dizia na imprensa que iríamos aumentar o Imposto de Renda. Não é verdade. Não haverá aumento, absolutamente não haverá”, afirmou Temer, recebendo, de fato, os aplausos.

Leia também: O que muda na economia do Amazonas com a permanência de Temer?

Na terça (8), ele havia admitido que havia estudos nesse sentido, como alternativa para evitar o descumprimento de deficit fiscal. Mas o governo recuou depois da repercussão negativa até entre aliados.

Em seu discurso, o presidente não fez referências à crise política, preferindo destacar medidas tomadas pelo seu governo, como a reforma trabalhista e o teto dos gastos públicos.

Enquanto ele falava, pelo menos cinco pessoas da plateia empunhavam cartazes com os dizeres “Fora Temer” e pedindo eleições gerais.
O presidente disse que o governo está focado agora na aprovação, até o fim do ano, de três reformas: da Previdência, política e a “simplificação tributária”.Para isso, fechou acordo com o Congresso para que os textos entrem na pauta ainda no segundo semestre.

“Se chegarmos ao final do ano e tivermos completado o ciclo das reformas, teremos um 2018 mais próspero”, concluiu.
Ao fim do discurso, parte da plateia vaiou o presidente e repetiu gritos de “Fora Temer”. O presidente deixou o evento sem dar entrevistas.

Folhapress

Leia Mais: 

‘Na parede’: Temer tem 5 dias para explicar aumento de combustíveis ao STF

Seis deputados do AM votam a favor do arquivamento da denúncia contra Temer

Temer exonera ministros para garantir rejeição da denúncia na Câmara

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais lidas

Subir