Esportes

Técnico e medalhista alemão morre no Rio após acidente de táxi

Foi diagnosticada a morte cerebral do técnico de canoagem da delegação alemã Stefan Henze, 35, internado em estado grave no hospital municipal Miguel Couto desde a madrugada de sexta (12), quando sofreu um acidente em um táxi a caminho da Vila Olímpica.

Fontes médicas disseram à Folha que exames comprovaram a falência cerebral irreversível na manhã desta segunda-feira (15). Henze ainda pode apresentar alguma atividade cardíaca ou reflexos primitivos, mas o cérebro parou de funcionar.

O Comitê Olímpico da Alemanha confirmou na tarde desta terça-feira (15) a morte de Henze, que era técnico da equipe de canoagem slalom do país.

“Os nossos pensamentos estão com os familiares de Stefan Henze, que estiveram aqui e têm a oportunidade de dizer adeus”, disse Michael Vesper, chefe de missão da equipe olímpica.

Segundo a nota oficial, o treinador morreu na presença de sua família.

No dia do acidente, Henze e o auxiliar administrativo Christian Käding pegaram o táxi em um bar no início da Barra, por volta das 4h30.

Minutos depois, o veículo conduzido por Artur de Almeida Campos, 26, se chocou contra a mureta na altura do número 500 da avenida das Américas.

Käding e o motorista sofreram ferimentos leves e foram liberados. Henze, que estava sentado no banco de trás, teve traumatismo no lado direito do crânio.

Inicialmente conduzido ao hospital Lourenço Jorge, na Barra, ele foi transferido para o Miguel Couto (Leblon), que tem equipe especializada em neurocirurgia.

Submetido a uma craniectomia descompressiva, em que os médicos retiram parte da calota craniana para aliviar a pressão causada pelo edema, ele seguiu para a CTI da unidade e, desde então, vinha sendo acompanhado pelo médico da delegação alemã Bernd Wolfarth, em conjunto com a equipe da rede municipal.

O quadro de Henz, medalhista de prata na canoagem slalom em Atenas-04, não evoluiu bem, no entanto. Sua morte foi a segunda morte de um profissional diretamente ligado aos Jogos.

Na última quinta-feira (11), o soldado da Força Nacional Hélio Vieira Andrade morreu, um dia após ter sido baleado na cabeça por traficantes da Vila do João, no Complexo da Maré.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir