Política

TCE multa ex-prefeito de Rio Preto em R$ 4 milhões

Dentre os 42 processos julgados durante a sessão, cinco foram relacionados a casos de improbidade administrativa em Rio Preto da Eva - foto: divulgação/TCE

Dentre os 42 processos julgados durante a sessão, cinco foram relacionados a casos de improbidade administrativa em Rio Preto da Eva – foto: divulgação/TCE

O Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) reprovou na manhã de ontem, durante sessão ordinária, as contas da Prefeitura de Rio Preto da Eva (a 80 quilômetros de Manaus). Por unanimidade, o pleno considerou procedentes várias irregularidades na gestão do ex-prefeito Luiz Ricardo Chagas, (PRP), no período de 2013 e 2014, e aplicou multas que ultrapassam os R$ 4 milhões.

Dentre os 42 processos julgados durante a sessão, cinco foram relacionados a casos de improbidade administrativa em Rio Preto da Eva. Além de ter recebido uma multa milionária, Ricardo Chagas – que renunciou ao mandato de prefeito no dia 3 de dezembro de 2015 – terá que devolver aos cofres públicos cerca de R$ 331 mil, dinheiro que, segundo o TCE, foi desviado da prefeitura, por meio de licitações ilegais.

Em 2013, em seu primeiro ano de mandato, o Tribunal de Contas identificou sete contratos de licitação irregulares feitos pela prefeitura. Entre eles, a locação de um caminhão-caçamba no valor de R$ 84 mil, o que corresponde ao aluguel de três veículos com a mesma característica, sem a comprovação de nota fiscal do valor pago, irregularidade apontada primitivamente.

Conforme as investigações do Ministério Público de Contas (MPC) junto ao TCE, no mesmo ano, a Prefeitura de Rio Preto da Eva adquiriu um bem com a mesma característica no valor de R$ 225 mil, conforme relação de bens apresentada na prestação de contas do exercício 2012. Segundo o MPC, o prefeito não apresentou notas fiscais da compra, e não justificou a locação de um caminhão caçamba, por duas vezes.

Nesse processo, por determinação do Tribunal de Contas, o ex-prefeito Ricardo Chagas, mesmo não ocupando mais o cargo, terá que devolver no prazo de 30 dias, o valor de R$ 303 mil, referente ao valor despendido com o aluguel do caminhão-caçamba e R$ 28 reais, referente a pagamento realizado sem nota fiscal.

Alguns dos outros processos estão relacionadas à ausência em todos os procedimentos licitatórios; ausência dos documentos relativos aos precatórios e comprovação da regularidade junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT); realização de despesas sem prévio empenho, fragmentação de despesas, locação de veículos acima de R$ 1,3 milhão no período de dez meses, uma das quais o prefeito não apresentou razões de defesa.
Foi detectado também diferença entre valores na prestação de contas; divergência dos valores apresentados pelo RH da prefeitura com os valores apresentados no balanço referente aos profissionais do magistério; ausência de remessa da Lei Orçamentária Anual (LOA) ao Tribunal de Contas; e ausência de recolhimento do INSS dos servidores.

Fonte Boa

Por unanimidade, o colegiado julgou irregulares também as contas do ex-prefeito de Fonte Boa, Antônio Gomes Ferreira, referentes ao exercício de 2010. De acordo com o relator da prestação, auditor Alípio Firmo Filho, algumas das irregularidades detectadas na administração do gestor, entre as mais de 30 identificadas, foi a inexistência de registros contábeis, dos demonstrativos de pagamentos e recebimentos, concessões de benefícios realizados pelo Fundo de Previdência e Assistência Social do Município de Fonte Boa (Fumpas) no exercício de 2010; não comprovação da finalidade alcançada com os saques realizados em contas da prefeitura; pagamento de auxílio-doença a servidor já falecido; e falta de comprovação da execução dos serviços contratados mediante as dispensas de licitação.

As multas e glosas aplicadas ao ex-prefeito ultrapassam os R$ 13 milhões. O prazo para devolução do valor é de 30 dias.

Por Bruna Souza

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir