Economia

Taxa de desemprego aumenta 8,1% em apenas três meses, de acordo com o IBGE

A taxa média de desemprego no país aumentou para 8,1% no trimestre encerrado em maio, conforme dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (9).

A taxa de desemprego era de 7% no mesmo período do ano passado e de 7,4% no intervalo imediatamente anterior (dezembro a fevereiro).

Os dados são da Pnad Contínua mensal, pesquisa de abrangência nacional sobre mercado de trabalho, divulgada pelo IBGE. Trata-se da maior taxa de desemprego da série histórica da pesquisa, iniciada em janeiro de 2012.
O desemprego aumentou porque 1,566 milhão de pessoas entraram no mercado de trabalho, mas apenas 297 mil encontraram emprego.

O número de pessoas desempregadas no país aumentou assim em 1,269 milhão na comparação ao mesmo período do ano passado.
Com a desaceleração da economia – o PIB encolheu 0,2% no primeiro trimestre deste ano -, o mercado não está sendo capaz de absorver esses trabalhadores.

A população desempregada no trimestre encerrado em maio cresceu 18,4% frente ao mesmo período do ano passado. São 8,157 milhões de desempregados.

Na comparação com o trimestre encerrado em fevereiro, o aumento foi de 10,2%.

O número de pessoas ocupadas, por sua vez, teve um crescimento de 0,3% frente ao mesmo período de 2014, considerado estabilidade pelo IBGE. São 92,104 milhões de brasileiros empregados.

Houve queda de 0,2% na comparação ao período encerrado em fevereiro, também considerado estabilidade pelo IBGE.  Já o número de pessoas fora do mercado de trabalho -em idade para trabalhar, mas que não procuram emprego- aumentou 1,4%, para 63,696 milhões.

Por Folha Press

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir