Dia a dia

Susam confirma quatro casos de febre Chikungunya adquiridos em Manaus

 - foto: arquivo/ Agência Brasil

foto: arquivo/ Agência Brasil

Na tarde desta sexta-feira (17), a Secretaria Estadual de Saúde (Susam) confirmou quatro casos da febre Chikungunya, todos adquiridos na capital. Os registros da doença foram feitos no mês de julho e se concentraram em pessoas de uma mesma família, que moram em residências próximas no bairro do Dom Pedro, Zona Oeste.

“As quatro pessoas – três mulheres e um homem, com idades entre 48 e 72 anos – estão recebendo acompanhamento ambulatorial e, até o momento, não foi necessária a internação hospitalar de nenhum deles”, disse o o diretor-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Bernardino Alburqueque.

A confirmação da infecção pelo vírus Chikungunya foi feita por meio do laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/AM) que, de acordo com Bernardino, as amostras de sangue coletadas dos doentes seguirão para o Instituto Evandro Chagas (IEC), em Belém (PA), apenas para efeito de validação. “Assim que recebemos a confirmação dos diagnósticos, acionamos a vigilância de saúde do município que, em conjunto com a vigilância estadual, passou a realizar as medidas de bloqueio, que consistiram na inspeção dos imóveis localizados em um raio de 500 metros das residências dos doentes, para identificação e eliminação de possíveis criadouros do Aedes aegypti. A inspeção também buscou identificar a existência, na área, de pessoas com quadro febril e outros sintomas da Chikungunya, o que não foi encontrado”, explicou o diretor da FVS.

Complementando as medidas de bloqueio, também foi iniciado na área um ciclo de fumacê para auxiliar na eliminação de focos do mosquito.

O secretário estadual de Saúde, Pedro Elias de Souza, disse que a confirmação dos casos já foi notificada ao Ministério da Saúde e alertou a população para que continue a adotar as medidas básicas de prevenção, voltadas para diminuir ao máximo os criadouros do Aedes aegypti, mosquito transmissor da Chikungunya e também da Dengue.

“A circulação do vírus da febre Chikungunya na capital está confirmada. Os cuidados que já vínhamos adotando e que nos permitiram reduzir de forma expressiva no número de casos de Dengue no primeiro semestre deste ano, devem ser redobrados, uma vez que se trata do mesmo vetor”, frisou Pedro Elias.

Desde o ano passado, as autoridades de saúde do Estado, estão trabalhando com a possibilidade de registrar casos de transmissão local da febre Chikungunya no Estado. A preocupação maior era com o fluxo de pessoas oriundas da Venezuela e as Guianas, países vizinhos que já registravam casos semelhantes. No Brasil, os Estados da Bahia, Amapá e Mato Grosso do Sul registram o maior número de casos da doença. No início deste ano, já haviam sido registrados quase 2,3 mil casos em todo o País.

Sintomas

A Chikungunya tem manifestação semelhante à Dengue, com febre alta e súbita, tendo como principal característica as dores intensas nas articulações de pés e mãos – dedos, pulso, tornozelos. Pode ocorrer, ainda, dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Não há, como na Dengue, a manifestação hemorrágica da doença, mas as dores nas articulações podem comprometer os movimentos e perdurar por muitos meses. “Esse é o principal problema para o paciente, que terá de fazer um acompanhamento longo”, diz Bernardino Albuquerque. Além do Aedes aegypti, a febre Chikungunya pode ser transmitida, ainda, pelo Aedes albopictus (mosquito que também é vetor a Dengue).

Desde meados de ano passado, as autoridades de saúde do Amazonas vinham trabalhando com a possibilidade de registros de casos autóctones (de transmissão local) da Chikungunya no Estado. A preocupação maior era com a circulação de pessoas entre a Venezuela e as Guianas, países vizinhos que já registravam, àquela altura, a transmissão ativa do vírus. No Brasil, os Estados da Bahia, Amapá e Mato Grosso do Sul registraram o maior número de casos da doença. No início deste ano, já haviam sido registrados quase 2,3 mil casos em todo o País.

 

Com Informações da Assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir