Dia a dia

Susam atuará com cerca de 80 profissionais da saúde durante os jogos olímpicos, na Arena da Amazônia

Preços variam de R$ 70 a R$ 150 reais - foto: divulgação/Sejel

Na parte interna da Arena, foram montados cinco postos de saúde – foto: divulgação/Sejel

Responsável pelo atendimento médico dentro da Arena da Amazônia, a Secretaria Estadual de Saúde (Susam) estará com uma equipe de 70 profissionais no local, nos dias de Jogos Olímpicos em Manaus, nesta quinta-feira (04), no domingo (07) e na próxima terça-feira (09). De acordo com o secretário estadual de Saúde, Pedro Elias de Souza, a equipe será formada por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e agentes administrativos, que estarão trabalhando no atendimento aos torcedores, atletas e equipe técnica.

A Susam também estará com 10 técnicos da área de Vigilância em Saúde, atuando em parceria com o município, na fiscalização dos produtos alimentícios que serão comercializados no local.

No local, foram montados pela Susam cinco postos de saúde, cada um com dois leitos. Dois postos estão instalados no anel superior da Arena da Amazônia, um no ‘podium’ e um no vestiário, com dois leitos de suporte avançado. A Susam também montou uma área específica de Pronto-Atendimento, no ´podium´, com dez leitos, incluindo dois de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No local, estarão três médicos, dois enfermeiros, cinco técnicos de enfermagem e dois técnicos de engenharia responsáveis por resolver quaisquer problemas com os equipamentos de saúde. No gramado do estádio, duas equipes formada por médico e técnico de enfermagem estará a postos, para atender os atletas.

Pedro Elias informa que sete ambulâncias da Susam darão suporte ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), da Prefeitura de Manaus. “Duas dessas ambulâncias ficarão no gramado, para atender qualquer emergência com os atletas”, acrescentou.

O planejamento da Susam para os Jogos Olímpicos inclui, ainda, o funcionamento, na Arena, de um Sistema de Regulação semelhante ao adotado na rede pública de saúde. “O paciente que necessitar de remoção já sairá de lá encaminhado para a unidade de saúde previamente definida”, explicou.

Unidades de referência

No caso da Família Olímpica, formada pelos atletas, dirigentes e demais envolvidos na organização do evento, a unidade de referência, para recebê-los em caso de urgência e emergência, é o Hospital Adventista, da rede privada. O Comitê Rio 2016 tem parceria com a unidade, localizada no Distrito Industrial, zona Sul.
Na rede pública de urgência e emergência, a Susam adotará o mesmo modelo de plano de contingência utilizado durante a Copa do Mundo. Esse modelo deixa toda a rede preparada para uma resposta rápida, em casos de acidentes com muitas vítimas.

O secretário de Atenção Especializada da Capital, Wagner Willian de Souza, explica que conforme pede o protocolo do evento, algumas unidades funcionarão como referência. O Hospital e Pronto-Socorro (HPS) 28 de Agosto será para o atendimento a queimados e ocorrências de urgência nas especialidades cardiovascular, nefrologia, urologia, traumato-ortopedia, oftalmologia, clínicas médica e cirúrgica. Ao HPS João Lúcio serão encaminhados, principalmente, os casos de neurocirurgias, cabeça e pescoço, bucomaxilo e, também, traumato-ortopedia. À Fundação de Medicina Tropical Dr Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), os pacientes com doenças infecciosas e parasitárias e casos de dermatologia tropical. A Fundação do Coração Francisca Mendes manterá uma área reservada de sobreaviso para atendimentos a vítimas de um eventual acidente com materiais Químicos, Biológicos e Radionucleares (QBRN).

Vigilância

A Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), vinculada à Susam, concluiu, na última segunda-feira (1º), uma operação em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), para identificar, dentro da Arena e nas proximidades, possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika vírus.

O diretor-presidente da FVS e coordenador estadual da área da Saúde do Comitê Olímpico, Bernardino Albuquerque, diz que a área está sendo milimetricamente monitorada, para garantir a saúde e o bem estar de todos que irão participar desse grande evento mundial. Segundo ele, as ações de educação em saúde foram reforçadas com os moradores do entorno da Arena. “A participação da população é fundamental para o combate contínuo contra o mosquito”, afirmou.

Bernardino acrescenta, ainda, que nos dias de jogos na Arena, as equipes da FVS e do Departamento de Vigilância Sanitária (DVisa) irão atuar na fiscalização dos produtos alimentícios que serão vendidos à população, na Arena da Amazônia.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir