País

SUS deve ofertar novos medicamentos contra hepatite C até dezembro

Um novo tratamento que amplia as chances de cura de pacientes com hepatite C estará disponível no SUS até dezembro deste ano, de acordo com o Ministério da Saúde.

A nova terapia é composta pelos remédios daclatasvir, simeprevir e sofosbuvir, até então disponíveis apenas no exterior. Até aqui, pacientes recorriam à Justiça para fazer com que o SUS e os planos de saúde disponibilizassem os medicamentos, a custos que chegavam a US$ 250 mil.

Hoje, o tratamento disponível na rede pública, à base dos remédios boceprevir e telaprevir, tem chances de cura de até 47%. Com os novos remédios, esse índice chega a 90%. Já o tempo de tratamento passa de um ano, em média, para três meses.

A possibilidade de trazer os medicamentos ao Brasil já havia sido aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no início deste ano, mas ainda não havia previsão de data para inclusão dos remédios no SUS.

Cerca de 30 mil pessoas devem ter acesso ao novo tratamento, segundo o Ministério da Saúde, contra os 15 mil atendidos anualmente.

O aumento ocorre pela possibilidade de beneficiar pacientes que não podiam receber os tratamentos antes disponíveis, como portadores de HIV, pessoas que passaram por transplante ou que não respondiam aos demais medicamentos.

Novo protocolo

A inclusão dos três medicamentos faz parte do novo protocolo clínico para diagnóstico e tratamento da doença, divulgado pelo governo nesta segunda-feira (27).

“É uma revolução no tratamento da hepatite C nos moldes do que ocorreu com a Aids e os coquetéis”, compara o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

Segundo ele, o valor a ser investido com a nova terapia – só neste ano, serão R$ 500 milhões – é 2,5 vezes menor que o aplicado atualmente, devido a descontos de até 90% obtidos no preço dos produtos.

Além dos medicamentos, o novo protocolo incorpora ao SUS três novas alternativas de exames capazes de detectar complicações por hepatite C e que definem a necessidade de início do tratamento.

Antes, isso era possível apenas por meio de biópsia. “Era um procedimento invasivo, que poucos hospitais tinham condições de fazer”, explica Fábio Mesquita, do departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Agora, há possibilidade de adotar outros modelos, por meio do cruzamento do resultado de exames de sangue ou por uma elastografia hepática, exame que verifica o grau de comprometimento do fígado.

Hepatite no Brasil

Cerca de 10 mil casos de hepatite C são notificados por ano no Brasil. A doença, de poucos sintomas, pode levar a complicações como câncer de fígado, que responde hoje por 31% a 50% dos transplantes em adultos, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca).

O Ministério da Saúde também divulgou dados referentes às demais hepatites (A e B). Em nove anos, o Brasil teve queda de 69,7% nos casos de hepatite A, cuja transmissão ocorre predominantemente pelo contato com alimentos, água e objetos contaminados.

Dados preliminares de 2014 apontam 6.520 novos casos da doença – em 2005, eram 21.554 registros. A pasta atribui a queda à melhoria do saneamento básico e distribuição de renda.

Já a hepatite B apresenta cerca de 17 mil casos confirmados por ano, um cenário que tem se mantido estável nos últimos três anos. A transmissão, neste caso, ocorre por relações sexuais desprotegidas ou contato com sangue contaminado.

Segundo Mesquita, o governo planeja lançar, até dezembro, um novo protocolo de tratamento da doença. Uma das possibilidades, a ser avaliada pela Conitec, comissão que estuda a incorporação de medicamentos no SUS, é substituir o uso de interferon pelo tenofovir, o que simplificaria o tratamento.

A prevenção da doença é feita por meio da vacina, disponível no SUS para a população até 49 anos ou com maior risco de exposição à hepatite B.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir