Política

Superintendente é suspeito de fraudes no Ministério da Agricultura

Há anos a Procuradoria da República no Rio Grande do Sul vinha recebendo denúncias de que a cúpula da Superintendência Regional do Ministério da Agricultura recebia propina para beneficiar empresas do setor agropecuário. A apuração, no entanto, esbarrava na falta de provas até que, hoje (13), o superintendente e mais dois servidores do órgão foram alvo de uma operação conjunta da Polícia Federal (PF) e da Controladoria-Geral da União (CGU).
No fim de 2013, o vazamento de documentos internos permitiu que os procuradores, a Polícia Federal e a CGU iniciassem as investigações que culminaram com a Operação Semilla deflagrada  nesta quarta-feira para desarticular o grupo suspeito de fraudar processos administrativos e ações de fiscalização.

“O MPF já havia recebido várias notícias sobre supostas irregularidades na Superintendência do Ministério da Agricultura cometidas, inclusive, pelo próprio superintendente [Francisco Natal Signor]. Sempre demos a elas o tratamento adequado, mas esbarrávamos na falta de provas. Até recebermos documentos internos que indicavam a atuação irregular do superintendente e demais servidores”, disse o procurador da República Adriano dos Santos Raldi, do Núcleo de Combate à Corrupção do MPF.

Segundo o delegado federal Aldronei Rodrigues, a PF já reuniu provas suficientes para concluir que os quatro investigados reduziam injustificadamente o valor de multas aplicadas às empresas do setor agropecuário; retardavam o julgamento de processos administrativos prejudiciais a essas mesmas empresas e as avisavam com antecedência das datas de novas fiscalizações.

Além de Francisco Signor, estão entre os investigados um servidor de carreira do Ministério da Agricultura, uma ex-funcionária comissionada e seu marido, empresário. Os três servidores do ministério já foram afastados de seus cargos. Só foi possível à reportagem confirmar o nome do superintendente do Ministério da Agricultura.

“Os crimes, em tese, eram praticados pela cúpula da superintendência, em conluio com alguns empresários do setor de agroindústria e agropecuária. Era uma organização que já atuava há algum tempo no estado”, disse o superintendente da PF, delegado Elton Roberto Manzke. Segundo Manzke, os nomes das empresas e empresários eventualmente beneficiados pelo esquema só serão revelados em uma próxima etapa da Operação Semilla, quando os documentos apreendidos e os depoimentos colhidos hoje tiverem sido analisados.

Quatro mandados de condução coercitiva (quando o investigado é conduzido para prestar depoimento e liberado em seguida) e seis de busca e apreensão foram cumpridos em Porto Alegre e Sapucaia – ao contrário do que a PF divulgou mais cedo, quando informou que a cidade era Sapiranga.

“A operação visa apenas robustecer as provas que já instruem o inquérito policial instaurado para apurar os crimes de corrupção ativa e passiva, advocacia administrativa, lavagem de dinheiro e associação criminosa”, acrescentou Manzke.

Dirigente da Associação Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários (Anffa) no Rio Grande do Sul, Marcelo Mazzini confirmou à Agência Brasil que as suspeitas de irregularidades na superintendência do ministério são conhecidas há tempos e eram bastante comentadas entre a categoria.

“Para os fiscais, algumas dessas constatações da PF estão muito claras, pois aconteciam com frequência. [Havia] processos administrativos que após serem encaminhados à superintendência, ficavam parados por muito tempo, sem nenhuma decisão. Ou multas cujos valores eram drasticamente reduzidos”, afirmou Mazzini, garantindo que, “há mais de ano” a Anffa apresentou ao MPF “algumas comunicações” denunciando principalmente “a demora do superintendente regional para analisar processos parados e a redução injustificada do valor das multas”.

“Enviamos cópias de alguns desses processos para que os procuradores analisassem [os fatos]. A fiscalização visa a saúde pública e a defesa agropecuária. Tudo o que dificulta o trabalho dos fiscais facilita a fraude e ações impróprias, colocando em risco a saúde pública”, explicou.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir