Economia

Suframa apresenta plano diretor com ausência do ministro Marcos Pereira

Ao contrário do que assegurou em julho, em sua última vinda a Manaus, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Pereira não estará presente na 275ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Superintendência da Zona Franca de Manaus (CAS), que será realizada nesta sexta-feira (26), às 10h. A ausência de Pereira foi confirmada ao EM TEMPO Online, por telefone, pela assessoria de comunicação do ministério.

Na ocasião, a autarquia irá apresentar o ‘Plano Diretor Industrial (PDI): diretrizes táticas para a área de atuação da Suframa (2017-2025)’. O objetivo é dinamizar a economia na região.

Quando participou da reunião de julho, Pereira declarou ter um compromisso pessoal com o fortalecimento da Zona Franca de Manaus (ZFM) e garantiu sua participação nas reuniões da autarquia.

Plano Diretor

O documento, resultado de seis meses de estudos e discussões entre técnicos da autarquia e representantes da sociedade civil, visa fortalecer e aprimorar o modelo Zona Franca de Manaus (ZFM), tendo em vista a prorrogação da vigência dos incentivos fiscais até 2073.

Segundo a superintendente da Suframa, Rebecca Garcia, o PDI representa uma ação de planejamento plenamente utilizada por grandes corporações para dimensionar suas necessidades e empreender medidas de acordo com as expectativas de crescimento das suas atividades, em curto, médio e longo prazos.

“Esse tipo de planejamento também pode ser usado na gestão pública para se definir com mais segurança quais ações devem ser adotadas agora, tendo em vista o futuro. Não há como avançar no setor industrial sem um projeto”, explicou.

Áreas estratégicas

Como primeira etapa para a elaboração do PDI, a Suframa, por meio da Coordenação Geral de Estudos Econômicos e Empresariais (Cogec), identificou oito áreas temáticas do seu plano estratégico, que estão direta ou indiretamente relacionadas ao setor industrial e, em seguida, redigiu as propostas iniciais das diretrizes táticas para orientar as ações da autarquia em seu planejamento operacional de curto prazo.

Posteriormente, a fim de coletar as contribuições da sociedade civil, a Suframa realizou, em fevereiro deste ano, o painel de debates ‘Zona Franca de Manaus: 2016-2036 – das perspectivas à concretude de ações’, que reuniu representantes das classes empresariais e trabalhadoras e do setor de ciência e tecnologia para discutirem os desafios e oportunidades relacionados à evolução do modelo de desenvolvimento ZFM.

Ligação direta com Equador

Há um estudo, desde 2007, para ligar o Brasil ao Equador, por meio do Oceano Pacífico, através das cidades Manaus e Manta.

“Está bem avançado. Entendemos que essa é a melhor saída, é a chance de nos colocar numa posição preferencial para a escoação da nossa produção, na chegada dos nossos insumos e dos possíveis novos produtos que viremos a adquirir. Além de resolver parte da logística da nossa região”, falou Rebecca.

A superintendente ressaltou que, pelo lado brasileiro, o lado positivo é de que os rios da Amazônia são “altamente navegáveis”. “Seria necessário uma espécie de alfandegamento do porto de Tabatinga e a Suframa já está trabalhando nesse sentido”, disse.

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir