Eleições 2016

Somente 30 mulheres são candidatas à prefeita no Amazonas

Em Manaus, não há registro de cabeça de chapa com representantes do sexo feminino – infográfico: EM TEMPO

Em Manaus, não há registro de cabeça de chapa com representantes do sexo feminino – infográfico: EM TEMPO

Representando apenas 11,81% das candidaturas a prefeito no Amazonas, o número de mulheres que disputam o Poder Executivo no Estado nestas eleições é mínimo. De um universo de 254 aspirantes a prefeito, apenas 30 são mulheres, conforme dados divulgados no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Já na disputa ao cargo de vice-prefeita, o número de candidatas é de 40.

E a realidade chega a ser mais dura quando observa-se que dos 62 municípios amazonenses, as candidaturas a prefeita estão centradas em apenas 23 cidades e nenhuma na capital amazonense, onde, dos nove candidatos a prefeito, nenhuma é mulher, salvo duas candidaturas a vice-prefeita, representadas pela professora Cristiane Balieiro, vice na chapa de Serafim Corrêa, ambos do PSB, e pela estudante Taly Nayandra (PCB), vice de Professor Queiroz (Psol).

Entre os municípios que têm mulheres disputando o majoritário, destaca-se as cidades de Anamã, Beruri, Itapiranga, Japurá, Maraã, Parintins e São Gabriel da Cachoeira, que possuem, cada uma, duas candidatas mulheres.

Os demais municípios que possuem apenas uma candidatura feminina são: Barreirinha, Benjamin Constant, Borba, Carauari, Careiro, Ipixuna, Iranduba, Itamarati, Jutaí, Manacapuru, Novo Airão, Pauini, Santa Isabel do Rio Negro, Silves, São Paulo de Olivença e Urucará.

Uma das candidatas à prefeita de Parintins, a empresária Márcia Baranda (PMDB) afirma que as mulheres estão cada vez mais conquistando os mesmos espaços que os homens, e no caso da política não seria diferente. Na briga pela administração da cidade, ela destaca que sua proposta é diferenciada, que visa ao crescimento do município de forma ordenada e a proporcionar uma boa qualidade de vida.

“Queremos ter a oportunidade, por meio do trabalho, de gerar renda antes e depois do Festival Folclórico de Parintins. Somos um povo guerreiro e que não foge de suas obrigações. O que falta hoje no nosso município é a oportunidade e aplicação da verba pública de forma correta”, disse.

Yamile Viana (PSDB), que disputa a Prefeitura de Anamã, revelou que foi motivada a entrar na política por observar o alto índice de corrupção no município. “Vi muitas pessoas sofrendo com o descaso e isso me indignou, me revoltou e fez ‘arregaçar as mangas’ para lutar por dias melhores. Eu acredito que as pessoas tenham que ter o básico para sobreviver”, afirmou.

Ao comentar sobre a tímida participação das mulheres na política, a candidata afirma que as mulheres precisam ser mais estimuladas, seja pela classe feminina ou masculina, para se engajar na vida política. Para ela, falta incentivo e valorização.

“As mulheres, por natureza, já têm o dom de conviver entre as pessoas e habilidade com a administração. Porém, sempre temos que estar provando que somos capazes de algo, o que pode gerar insegurança”, explicou.

Ao ser questionada sobre o sectarismo e coronelismo ainda muito presentes no interior, Yamile explica que é necessário quebrar paradigmas. “A nova política requer a quebra de paradigmas e a apresentação de simpatia, transparência e diálogo com o povo. O coronelismo nunca deu certo e é uma política velha”.

Participação ínfima

Com maioria de eleitores do sexo feminino, a cidade de Manaus nunca elegeu uma prefeita e, atualmente, a representatividade feminina nos quadros da política mostra o pouco descaso de partidos políticos com as candidaturas de mulheres.

Na Câmara Municipal de Manaus, por exemplo, dos 41 vereadores, apenas sete são mulheres. Na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), dos 24 deputados, somente uma mulher. A bancada do Amazonas no Congresso Nacional possui apenas duas representantes do sexo feminino: a deputada federal Conceição Sampaio (PP) e a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB).

Dados nacionais

A página do TSE informa que o número de candidatos a prefeito neste pleito é de 14.293 homens, que representam 87% do total de concorrentes. Já as mulheres candidatas a prefeituras no país são 2.056, que representam uma fatia de 12%.

Nos cargos para vice-prefeitos(as), os números também são bastante distintos. Os homens candidatos a vice são 13.639 contra 2.863 mulheres candidatas a vice. As vagas para as Câmaras também são dominadas por homens, que somam 204.004 candidaturas. Já as mulheres, são 97.641 candidatadas a vereadoras.

Quanto à raça, as mulheres candidatas de cor branca são 55.882, que representam 32,26%. Já as candidatas negras, são 8.287. As mulheres indígenas são as com menor quantidade, representadas por apenas 284 mulheres, em um total de 26%.

Juntos, todos estes dados mostram que as mulheres representam menos da metade das candidaturas pelo Brasil, que está dividida em 223.077 homens contra 101.001 mulheres, representando, respectivamente, 68,83% e 31,15%.

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir