Política

Site pró-Fachin foi criado por integrante da campanha de Dilma

As páginas de internet em que o advogado Luiz Edson Fachin se defende do que seus apoiadores chamam de “campanha difamatória” nas redes sociais foram criadas pelo diretor de arte da empresa Pepper, Renato Rojas, que presta serviços para o PT e trabalhou na campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff, em 2014.

A ligação de Rojas com o site de Fachin foi revelada nesta segunda-feira (11) pelo jornalista Claudio Tognolli, em seu blog. O advogado foi indicado por Dilma para o STF (Supremo Tribunal Federal) e será sabatinado por senadores nesta terça-feira (12).

Rojas desenvolveu sites e ferramentas nas redes sociais pró-Dilma, durante a campanha. Hoje a agência Pepper ainda tem equipes responsáveis pela produção de conteúdo da agência de noticias do PT, do site da presidente Dilma Rousseff e de outas páginas ligadas à legenda.

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da Pepper disse que não sabia que Rojas estava prestando serviços para Fachin. Segundo a empresa, o funcionário está de férias e não comunicou o trabalho à agência. Ele teria acertado a prestação de serviços sem informar a Pepper.

A agência disse ainda que “proíbe seus funcionários de trabalharem com terceiros” e que “tomará as devidas providências assim que Rojas retornar de suas férias”.

A assessoria de Edson Fachin confirma ter contratado Rojas e diz que o designer será pago pelo escritório de advocacia do genro do possível ministro. O assessor de Fachin diz que ele e sua família desconheciam o histórico de Rojas na campanha de Dilma e seu vínculo com a Pepper.

Secretário nacional de comunicação do PT, o deputado José Américo Dias (SP) disse que Rojas “trabalhou na campanha mas não tinha nenhuma responsabilidade em relação à conteúdo ou estratégia, exercia uma função exclusivamente técnica”. “A Pepper não tinha conhecimento sobre esse trabalho para o Fachin e nem o PT, mas não vemos um problemas já que ele não exercia um cargo estratégico”, concluiu.

 

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir