Economia

Sindmetal reúne 380 metalúrgicos em 3ª paralisação de advertência e ameaça com greve

O ato na manhã de hoje foi realizada em frente à Visteon Amazonas Ltda., localizada na avenida Autaz Mirim, bairro Distrito Industrial, Zona Sul da capital, e teve duração de duas horas, com inicio às 5h20 - foto: divulgação

O ato na manhã de hoje foi realizada em frente à Visteon Amazonas Ltda., localizada na avenida Autaz Mirim, bairro Distrito Industrial, Zona Sul da capital, e teve duração de duas horas, com inicio às 5h20 – foto: divulgação

Metalúrgicos de mais uma empresa do Polo Industrial de Manaus (PIM) aprovaram na manhã desta terça-feira (26) estado de greve.  Com essa, três fábricas do Distrito Industrial aderiram às paralisações de advertências organizadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas (Sindmetal).

O ato na manhã de hoje foi realizada em frente à Visteon Amazonas Ltda., localizada na avenida Autaz Mirim, bairro Distrito Industrial, Zona Sul da capital, e teve duração de duas horas, com inicio às 5h20.

De acordo com dirigente sindical do Sindmetal, João Brandão, a paralisação reuniu aproximadamente 380 metalúrgicos, que reivindicam participação nos lucros e resultados (PLR), o fim do assédio moral e auxilio creche.

Brandão explicou ainda que, caso, as empresas não aceitem as exigências da categoria, o sindicato trabalha para uma possível greve geral no PIM. “Estamos vendo a aceitação dessas pequenas paralisações. Se o trabalhador participar delas então teremos um clima favorável para uma greve geral no PIM”, comentou.

O sindicalista contou ainda que, em média, 40% dos trabalhadores são a favor da greve, e que alguns tem receios de aderir ao ato por conta da crise econômica e onda de demissões.

“O que podemos observar é que, em média, 40% querem que se faça a paralisação geral, mas falta uma confiança maior no sindicato. Os trabalhadores estão com receio da crise, demissões em massa e perseguições”, ressaltou Brandão, informando ainda que o sindicato tem até o dia 30 de julho para fechar as negociações com todas as empresas e decidir se entram ou não em greve.

Outras paralisações

Segundo o dirigente do sindicato, durante os meses de maio e junho, acontecerão mais mobilizações com os trabalhadores do PIM. A próxima paralisação será realizada com trabalhadores da  Palladium Energy Eletro da Amazônia Ltda., localizada na avenida Buriti, também no Distrito Industrial.

Os metalúrgicos da empresa Digitron da Amazônia já aderiram ao estado de greve na manhã de ontem (25). O ato que teve participação de 420 trabalhadores iniciou por volta das 5h20 e se estendeu até as 6h45, em frente à sede da empresa, localizada na rua Javari, Distrito Industrial, Zona Sul da capital.

Na semana passada, o sindicato também realizou ato na empresa Semp Toshiba, onde também foi aprovado estado greve.  Os mais de mil trabalhadores da fábrica pararam suas atividades por uma hora e meia.

Por Kattiúcia Silveira (equipe EM TEMPO Online)

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir