Cultura

Silvio Santos comemora 35 anos da rede SBT

O SBT celebra 35 anos de sucesso, uma televisão que inovou e sempre serviu de referências para outras emissoras - foto: divulgação

O SBT celebra 35 anos de sucesso, uma televisão que inovou e sempre serviu de referências para outras emissoras – foto: divulgação

O SBT comemora 35 anos da sua primeira transmissão. A emissora entrou no ar após Silvio Santos conseguir do governo Figueiredo a licença para operar a concessão do canal 4 de São Paulo, antiga frequência da TV Tupi.

À ela uniu a TVS, canal 11 do Rio que era a Continental e detinha desde 1976, a TV Marajoara (Pará) e a gaúcha Piratini.

O canal pretende celebrar o aniversário com eventos até o fim do ano. Promoverá em outubro uma nova Parada do Dia das Crianças, famosa nos anos 1980, e uma exposição dedicada ao homem do Baú no MIS (Museu da Imagem e do Som), em São Paulo, prevista para dezembro.

Eterno vice-líder, parece se orgulhar do segundo lugar desde a sua criação. Em 2015, 14,86% dos emissores do país sintonizaram no SBT, pouco mais do que a Record (14,56%) e menos do que a metade da audiência da líder Globo (36,91%), segundo o Ibope.

Abaixo, 35 momentos marcantes da emissora desde a sua criação com o DNA popularesco.

Inauguração ao vivo

“Foi uma novela com ‘happy ending’”, resumiu Silvio Santos na transmissão ao vivo da assinatura do contrato que encerrou a licitação do Ministério das Comunicações que lhe permitiu a operação do SBT.

O evento foi um caso raro na história da televisão. Famoso por seus programas no rádio e na TV Globo, anunciou um investimento de US$ 10 milhões e prometeu ser “muito mais um colega do que patrão”.

Pegadinhas

O quadro “Câmera Escondida”, com pegadinhas, é tão longevo quanto o SBT. As trapaças começaram no humorístico “Alegria 81”, no ano de estreia do canal.

Algumas das brincadeiras são criadas pelo próprio Silvio Santos, como Ivo Holanda, famoso ator de pegadinhas, contou à “Folha de S.Paulo” em 2015.

“Bozo”

Inspirado em formato americano, o palhaço teve várias encarnações e formatos no canal de Silvio Santos desde o começo dos anos 1980.

Rainha do sofá

O mais longevo trono de Hebe Camargo, a rainha da TV brasileira, foi o sofá branco de seu programa no SBT, onde recebeu seus convidados de 1986 a 2010.

Após uma rápida passagem pela RedeTV! entre 2011 e 2012, Hebe retornaria ao canal de Silvio Santos. Não deu tempo: morreu em setembro de 2012, dois dias depois de assinar novamente com o “patrão”.

Rede da criançada

Antes das brincadeiras com Maísa Silva, hoje adolescente, Silvio se divertia com as crianças em seu “Domingo no Parque”, que promovia gincanas e distribuía prêmios.

“A Praça é Nossa”

Em 1987, Carlos Alberto de Nóbrega aceitou o convite de Silvio Santos para reeditar o famoso programa criado por seu pai, Manuel de Nóbrega, ainda na rádio.

O humorístico é exibido até hoje e chega a liderar a audiência nas noites de quinta-feira.

Jô Soares

Silvio foi às compras: em outubro de 1987, tirou Jô Soares da Globo para apresentar o primeiro talk show da TV, o “Jô Soares Onze e Meia”. A transação foi a maior da TV brasileira até então.

O apresentador e humorista saiu da emissora em 1999 e voltou à Globo para a apresentar o “Programa do Jô”, que se despede da programação no final deste ano.

Silvio presidente

Antes do confronto final entre Lula e Collor, a primeira eleição para a Presidência da República teve outro candidato célebre: Silvio Santos.

A candidatura do famoso apresentador de TV acabou sendo impugnada pelo TSE.

Um coquetel de SBT

Durou pouco, apenas um ano (1991-1992). Mas foi inesquecível para os adolescentes daquela época: mulheres-fruta, vestindo maiôs brilhantes como vedetes, despiam-se em um jogo comandado pelo “showman” Luiz Carlos Miele.

Assim era o noturno “Cocktail”, criado em comemoração aos dez anos do SBT.

“Chiquititas”

A novela infantil “Chiquititas”, importada da Argentina, estreou pela primeira vez no SBT em 1997. A história ambientada em um orfanato revelou a atriz Fernanda Souza e se tornou uma coqueluche na época.

O fanatismo era tamanho que Tropa de Choque foi parar nos estúdios do canal, na rodovia Anhanguera, para conter a confusão generalizada causada por um concurso que deveria escolher novos atores mirins para a novelinha entre crianças anônimas.

Recordações do patrão

O canal reeditou “Chiquititas” em 2013.

Dramalhão latino

Compradas da Televisa, as novelas mexicanas, como “Maria do Bairro” (campeã de reprises, com sete exibições) e “A Usurpadora”, são uma marca registrada do SBT.

Casa dos Artistas

Sabendo que a Globo preparava o “Big Brother Brasil”, Silvio Santos furou a concorrência e apresentou o reality show aos brasileiros com “Casa dos Artistas”. Às pressas, confinou em uma mansão vizinha à sua, no Morumbi, famosos como Supla e Bárbara Paz.

Com mais de 40 pontos no Ibope, foi a maior audiência do canal até hoje e chegou a derrotar o “Fantástico”, aos domingos, feito inédito na história da televisão.

“Chaves” e “Chapolin”

Entre idas e vindas na programação, os humorísticos mexicanos criados por Roberto Bolaños são um trunfo de Silvio Santos para complementar sua grade desde 1984.

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir