Economia

Servidores da Saúde de Manacapuru realizam manifestação e cobram pagamento salarial

Os manifestantes percorreram as ruas do município com faixas e narizes de palhaços reivindicando melhorias na saúde e salários atrasados - fotos: divulgação

Os manifestantes percorreram as ruas do município com faixas e narizes de palhaços reivindicando melhorias na saúde e salários atrasados – fotos: divulgação

Aproximadamente 300 servidores percorreram as principais ruas de Manacapuru (a 84 quilômetros de Manaus), reivindicando por melhorias na área da saúde do município e o pagamento referente a quatro meses de salários atrasados. A manifestação iniciou em frente do Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC) do município, por volta das 8h, e durou quase toda amanhã desta quarta-feira (14).

Segundo um dos organizadores do movimento, o médico Lean Lima, além dos salários atrasados, os servidores estão sofrendo perseguição política e ameaças de demissão.  “Foram demitidas quatro pessoas e, pelo regime eleitoral, ninguém pode ser demitido três meses antes e depois das eleições. Somos coagidos, ameaçados, eles recolhem nossos celulares. Não podemos reclamar. Tem técnico de enfermagem que ganha um salário mínimo e tá passando fome”.

Ainda segundo o organizador, a prefeitura teria obrigado a todos os funcionários a entrar em uma cooperativa. “Nos obrigaram a entrar na cooperativa, se não seríamos demitidos. Essa cooperativa serve como ‘caixa 2’ para financiar a campanha do prefeito e candidato a reeleição Jaziel Tororó. Aí fica um impasse. A cooperativa diz que não houve repasse da prefeitura para efetuar os pagamentos e o prefeito disse, em algumas reuniões políticas, que não deve nada para a cooperativa”, comentou.

manifestacao

Em contrapartida, a secretária de Saúde do município, Márcia Cardoso, informou ao EM TEMPO que ontem (13), um dos vencimentos foi quitado, restando apenas os dos meses de julho e agosto, já que a folha de setembro ainda não foi fechada.

A chefe da pasta disse ainda que os salários são pagos uma parte com uma verba federal e o restante com recursos da prefeitura. “Tivemos uma queda de recursos, o que o governo federal manda é incentivo salarial. Por exemplo, a folha do programa ‘Saúde Bocal’ é de R$80 mil e recebemos apenas R$ 25 mil do governo federal”.

Márcia Cardoso explicou também que a prefeitura não recebe incentivos do governo do Estado para compra de remédios, custeio e reparo de equipamentos e de ambulâncias. “Temos prioridades, não podemos deixar de comprar medicamentos ou custear as ambulâncias. Manacapuru é cidade polo e temos mais sete municípios para atender.  O país todo está em crise na saúde, Manaus está em estado de calamidade. Aqui não seria diferente”.

Os manifestantes percorreram as ruas do município com faixas e narizes de palhaços reivindicando melhorias na saúde e salários atrasados - fotos: divulgação

Em relação à cooperativa, a secretária negou que a pasta teria vínculo direto com a terceirizada e que nenhum dos manifestantes seriam demitidos.   “Não fazemos ‘caixa 2’, nem tem como já que o recurso cai direto para conta dos cooperados. Ninguém foi ameaçado, as demissões também não são verdade. Estamos tentando sanar essa dívida, que acumulou já que o município teve uma queda de arrecadação de 40%”, finalizou.

Por Kattiúcia Silveira

Com informações de Fred Rocha (TV EM TEMPO)

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir