Economia

Servidores da justiça do AM realizam assembleia para discutir indicativo de greve

O Sindicato dos Trabalhadores da Justiça (Sintjam) realizará na próxima quarta-feira (20) assembleia geral extraordinária para discutir o indicativo de greve dos servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJ-AM),em resposta ao não pagamento de direitos trabalhistas de servidores e serventuários.


A assembleia será realizada a partir das 15h, na sede do sindicato, localizada na rua Luiz Antony, bairro Aparecida, Zona Oeste da capital.

A diretoria executiva do Sintjam decidiu convocar a assembleia em razão do descumprimento do acordo referente ao pagamento da hora a mais na jornada de trabalho dos servidores e serventuários. O beneficio trabalhista vem sendo pleiteado pelo sindicato desde o início da administração da gestão anterior do tribunal.

Os representantes do sindicato chegaram a apresentar planilha por cargos para que fossem efetuados os cálculos individualizados por servidor e apurado o montante de crédito, em reunião com o desembargador Ari Moutinho, quando ele era presidente do Tjam. A promessa inicial era de que o pagamento seria efetuado em março de 2013, porém, nada foi resolvido.

A postura da presidência do Tribunal de Justiça contrariou inclusive o estabelecido em processo administrativo (nº 015546/2012) da própria instituição, determinando que o pagamento deveria ocorrer em janeiro de 2014, o que culminou com a greve ocorrida no ano passado.

“Pleiteamos inclusive a participação na elaboração da proposta orçamentária de 2014 objetivando viabilizar a destinação de parte do recurso para o pagamento dos passivos administrativos, contudo, não foi aceita a proposta”, afirma a coordenadora geral do Sintjam, Eladis de Paula, a qual ressalta que o sindicato questiona ainda o fato de que a presidência do tribunal desconhece o valor atual da dívida.

Segundo a coordenadora geral, mais recentemente, foram encaminhados dois ofícios à presidente do tribunal, desembargadora Graça Figueiredo, e ainda, solicitado agendamento de audiência para tratar do assunto, sem nenhuma resposta.

“O que vem causando indignação e repercussão negativa no seio da categoria, sobretudo porque deixa a impressão de que o assunto não é uma preocupação da administração da casa”.
Eladis de Paula recorda que o sindicato decidiu suspender a paralisação de 2014 em virtude da posse da nova presidência e corregedoria do TJAM.

“Depositamos nosso voto de confiança na equipe que assumiu para administrar a instituição por acreditar na intenção dos novos gestores em resgatar a credibilidade do Tribunal de Justiça perante funcionários e a sociedade em geral”, afirmou à época.

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir