Sem categoria

Servidores da FCecon prometem paralisar atividades nesta segunda-feira

 foto: divulgação.

Os servidores não concordam com a administração da nova cooperativa, que pretende diminuir os salários dos profissionais. foto: divulgação.

Enfermeiros e técnicos de enfermagem da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), prometeram paralisar as atividades, nesta segunda-feira (29) as 7h em frente a unidade. Eles reivindicam salários atrasados desde dezembro de 2015 e principalmente a baixa proposta salarial dada pela nova cooperativa que está entrando. Ao todo serão afetados os setores de centro cirúrgico, quimioterapia, urgência, e enfermaria, distribuídos nos nove andares do prédio, paralisando mais de 100 profissionais.

De acordo com a enfermeira Ketelen Moura, está havendo uma troca de cooperativa na unidade. A atual, que gere os enfermeiros e técnicos do FCecon é a Medimagem, e estavam pagando R$ 2.300 para profissionais de carteira assinada e R$ 2.700 para profissionais sem carteira assinada.

Porém, a nova cooperativa que vai passa a administrar está os servidores, chamada IS de Souza, já irá assumir as atividades nesta segunda, e quer pagar apenas R$ 1.100 para enfermeiros e R$ 800 para técnicos. Segundo Ketelen, o valor é bem abaixo do que é oferecido no mercado de Manaus, até menos que recebem os maqueiros da unidade, que está em torno de R$ 1.200.

O ato estava previsto para iniciar entre 7h, e 7h30, momento em que está havendo a troca de turno entre os enfermeiros da madrugada e da manhã. Os profissionais vão esta vestidos com blusas pretas, levando cartazes em frente ao FCecon, localizado na rua Francisco Orellana, no bairro Dom Pedro, Zona Oeste.

A categoria reclama ainda que já estão com os salários atrasados desde dezembro de 2015. Há seis meses as cooperativas também não estão mais assinando carteiras de trabalho dos profissionais.

“A gente não está reivindicando a troca de cooperativas, mas sim a falta de valorização que estão tendo com o nosso salário. Não podemos admitir isso. Passamos sete anos, estudando, se esforçando em uma faculdade para receber 1.100 e 800 reais, enquanto outros que não estudaram ganham mais, ” declarou Ketelen.

A organização se deu apenas pelos profissionais que estão insatisfeitos com a proposta. Ou seja, não há iniciativa sindical no ato.

 

Por Joandres Xavier

2 Comments

2 Comments

  1. Joel

    29 de fevereiro de 2016 at 18:45

    Nós pagamos o sindicatos, mas eles são uns merdas sugadores, isso tem q acabar com os sindicatos

  2. Joene

    29 de fevereiro de 2016 at 05:48

    Esse informativo estar errados nossos salários não chegam nem a 1500, quanto mais 2, 700 acho injusto esse informativo… oq vão pensa? Q estamos querendo ganhar muito… a situação é precaria nem vale tranporte a cooperativa estava dando pra nóis, quanto mais esse salário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir