Política

Serafim Corrêa cobra “pacto de governança” entre os poderes e administração pública

A criação de um “pacto de governança” no Amazonas foi defendida pelo deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) durante discurso na Sessão Ordinária da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), nesta quinta-feira (11). Segundo ele, esse pacto seria o entendimento entre os poderes e órgãos para que se pudesse identificar e solucionar os gargalos que impendem o desenvolvimento do Estado. “Penso que este seria o melhor caminho, todos sentarmos entorno dos nossos problemas e buscarmos encaminhar soluções”, disse.

O parlamentar afirmou observar dois problemas que atrapalham a atividade econômica e a administração pública do Estado. O primeiro seria o que ele chamou de “guerra de egos do licenciamento” ambiental e urbanístico e o segundo seria o “poder das corporações”, que seriam grupos de interesse que tentam sobrepor suas demandas ao interesse público.

Sobre os licenciamentos, o deputado falou sobre os obstáculos impostos para concessão das licenças, o que acaba por impedir o andamento de projetos. Ele citou como exemplos o licenciamento para a reforma do Mercado Municipal Adolpho Lisboa e das estradas BR-319 (Manaus-Porto Velho) e AM-070 (Manaus-Manacapuru). Ele disse ainda considerar um avanço o projeto encaminhado pelo governo do estado e aprovado pela Assembleia Legislativa que dá poderes ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) para licenciar projetos, sem depender de órgãos federais.

“Isso vai destravar em grande parte. É cruel o que os órgãos do governo federal fazem e temos vários exemplos no Amazonas. Mais recente, temos o caso da rodovia Manaus-Manacapuru bloqueada exatamente porque o Iphan (Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) diz suspeitar que existam sítios arqueológicos naquele roteiro da estrada e por conta disso, como só tem um arqueólogo no Iphan para decidir, a obra vai em ritmo lento e quem sofre com isso é o povo”, lamentou.

Sobre o poder dos grupos de interesse, chamados por ele de “corporações”, Serafim Corrêa afirma que estes grupos estão inseridos na política, buscando dominar fatias cada vez maiores do orçamento público, o que ocasionaria também a descaracterização dos partidos políticos. O deputado citou o exemplo das bancadas (evangélica, ruralista, empresários, etc) existentes nas casas legislativas e deu como exemplo de situações onde existe a disputa entre esses grupos, o projeto de reforma tributária no país e a extinção da antiga Contribuição sobre Movimentação Financeira (CPMF).

“A CPMF acabou porque era simples demais e aí todas as corporações se juntaram para acabar com a CPMF e deixar a saúde na pindaíba. A CPMF significava 0,38% do valor das mercadorias, no mínimo. Eu quero saber qual foi a empresa que reduziu o preço em 0,38%. A extinção da CPMF foi, na verdade, a privatização da CPMF, porque ela deixou de ser paga para o poder público onde atendia a saúde e passou a ficar com as próprias empresas. É preciso reduzir o poder das corporações e o interesse público tem que se sobrepor ao interesse corporativo para que o Brasil possa avançar”, concluiu.

 

Com informações da assessoria

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir