Política

Sem consenso, votação sobre direitos de trabalhadores domésticos é adiada

Sem consenso entre os senadores, a proposta que regulamenta os direitos de trabalhadores domésticos não será votada pelos congressistas nesta terça-feira (5).

Desde a promulgação da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) das domésticas, em março de 2013, questões como verba indenizatória para demissão sem justa causa e pagamento de adicional noturno ainda estão pendentes.

A expectativa é que o texto seja votado amanhã. Em seguida, segue para sanção da presidente Dilma Rousseff. A redução do percentual da contribuição previdenciária feita pelo empregador, de 12% para 8%, foi um dos pontos de atrito. O governo quer manter o percentual mais elevado.

“O direito dos trabalhadores está garantido. Agora, o governo está tendo uma pequena perda. Entre o governo ter perda e a família brasileira ter perda, quem tem que ter perda é o governo. E ela é suportável”, disse o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Há ainda divergência sobre o recolhimento mensal de 3,2% para demissões sem justa causa. Essa seria uma alternativa à multa de 40% do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). O governo é contrário a opção do recolhimento mensal.

“A gente colocou as empregadas domésticas na mesma situação de todo trabalhador e a regra da CLT [Consolidação das Leis do Trabalho] é clara: se você demitir sem justa causa, 40% do FGTS para o trabalhador”, argumentou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).

A relatora da matéria na Casa, senadora Ana Amélia (PP-RS), defende a alternativa. Em seu relatório, ela argumenta que “não se pode onerar demasiadamente os encargos sociais e previdenciários a cargo do patrão, sob pena de o labor doméstico se tornar inviável”.

 

Por Folhapress

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir