Cultura

Seleção de atores para série brasileira da Netflix é considerada racista na web

Um e-mail de recrutamento de atores para a série ‘3%’, da Netflix, que vazou na internet, foi considerado racista por falar em “grau de dificuldade” para achar um negro “muito bonito”.

A mensagem foi enviada pela empresa +Add Casting, responsável pela formação do elenco da trama, a primeira produção inteiramente brasileira da plataforma de streaming, que estreia em 2016.

No e-mail, a companhia busca um ator jovem, entre 20 e 25 anos, e ressalta ser imprescindível que ele tenha ótima aparência.

“A direção gostaria que ele fosse negro, então o ideal seria ter um ator negro e muito bonito. Mas, conscientes do grau de dificuldade, faremos testes também com os bons atores, lindos, que não sejam negros”, diz o texto, que circula pelas redes sociais.

Em sua página no Facebook, a empresa passou a receber uma enxurrada de críticas e pediu desculpas pelo conteúdo do e-mail, alegando que o texto foi “mal interpretado”. Em nota, a +Add afirma que só 0,04% de seu casting é composto por pessoas que se declaram negras e que, por isso, citou o “grau de dificuldade”.

“O problema foi de má colocação das palavras e não de intenção ou de prática preconceituosa. A proposta da +Add Casting era a de garantir a participação de todas as pessoas interessadas na produção, inclusive ao abrir espaço para pessoas não cadastradas em agências.”

3%

A Netflix informou que o e-mail sobre teste de elenco foi enviado sem a sua aprovação e disse “lamentar” o ocorrido. “Estamos trabalhando para tomar as devidas providências”, afirma a empresa.

Com Bianca Comparato e João Miguel, “3%” é um thriller futurista que retrata um mundo dividido entre progresso e devastação. Na trama, a única chance de passar para ‘o lado melhor’ é por meio de um processo cruel, em que só 3% dos candidatos são aprovados.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir