Esportes

Sede do Brasil nas quartas da Copa América tem problemas com estádio

A região de Concepción, 500 km ao sul da capital Santiago, é o segundo principal centro metropolitano do Chile, com mais de 800 mil habitantes.

Uma sede, portanto, importante para a Copa América, já que o governo chileno quis descentralizar os jogos da região de Santiago, que possui 40% da população do país (total de 17 milhões).

Acontece que o estádio que abrigará o jogo entre Brasil e Paraguai no sábado (27), em Concepción, pelas quartas de final do torneio continental, é uma incógnita.

Em caso incomum em torneios desse porte, a cidade só recebe a competição a partir da segunda fase, devido ao atraso nas obras do estádio Ester Roa (antigo Collao), que só foi entregue no fim de maio. Pouco se sabe em que condições o estádio estará.

Mas os problemas não se devem somente à utilização de um estádio ‘virgem’. A CBF não sabia até o início dessa semana em qual campo da cidade treinaria caso avance das quartas de final para a semifinal, que também será jogada em Concepción.

Pela logística, o time de Dunga treinará esta semana toda no centro de treinamento da Universidad de Chile, a La U, sua base em Santiago, e somente na sexta (26) fará o reconhecimento do estádio para o jogo frente os paraguaios.

O problema é que se avançar, terá que trabalhar no domingo (28), e até terça (23) pela manhã não se sabia onde. Ficou acertado que será em um campo anexo ao Ester Roa, mas não se sabe exatamente como o gramado estará devido à chuva que castiga o sul do Chile no início do inverno.

Havia dúvidas também com relação aos hotéis de hospedagem. A CBF sempre quis o Radisson, menor, mas com privacidade maior aos jogadores do que o Sonesta, hotel que tem um grande cassino em anexo -e, portanto, maior circulação de curiosos.
Pelo regulamento da Conmebol, a partir da segunda fase é a entidade que escolhe em qual hotel cada seleção ficará, mas a vontade da CBF prevaleceu sobre os paraguaios e ficarão com maior privacidade.

Reforma lenta

A organização da Copa América precisou atrasar o sorteio dos grupos da competição, marcado inicialmente para setembro de 2014, porque não se sabia se Concepción, considerada a segunda sede mais importante do torneio, estaria pronta.

Houve rompimento de contrato, em 2014, com a construtora que reformava o Ester Roa, que já tem histórico de atrasos: foi retirado da Copa de 1962 porque não ficou pronto.

No valor de R$ 150 milhões, a obra se arrastava havia anos, e a possibilidade de ficar fora da Copa América fez com que a prefeitura, dona do estádio, contratasse em caráter de emergência duas outras empresas para finalizar o trabalho.
Os grupos da Copa América foram definidos em novembro. O Ester Roa foi confirmado, mas com mudanças.

Inicialmente, o cabeça de chave do Grupo C, o Brasil, teria como base o sul do Chile. Estrearia em Temuco (620 km de Santiago) e depois estacionaria em Concepción para jogar as duas partidas seguintes, e, caso terminasse em primeiro, as quartas de final e semifinal. Só iria para Santiago em uma eventual final.

O atraso na obra do Ester Roa fez a organização mudar o cronograma e incluir como sede o estádio Monumental, de propriedade do Colo Colo, com capacidade para 47 mil pessoas e que recebeu os dois jogos do Brasil, contra Colômbia e Venezuela, que deveriam ser em Concepción.

Fotos divulgadas em redes sociais em meados de maio, por operários demitidos pelas empresas que faziam a reforma, mostravam ferrugens e material de má qualidade no que supostamente fazia parte da obra.

A organização da Copa América e o governo local negaram e afirmam que o estádio estará em condições excelentes para receber a competição.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir