Mundo

Secretário da Fifa movimentou R$ 32 mi em propina, diz jornal

O secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, teria movimentado US$ 10 milhões (aproximadamente R$ 32 milhões) usados para o pagamento de propina, revelou nesta segunda-feira (1º) o jornal ‘The New York Times’ baseado em fontes anônimas da investigação sobre a Fifa nos EUA.

De acordo com a publicação, Valcke, braço-direito do presidente da Fifa, Joseph Blatter, é o “alto funcionário da Fifa” que, segundo o indiciamento divulgado na semana passada, transferiu US$ 10 milhões da Fifa para contas controladas por Jack Warner, na época presidente da Concacaf, a confederação de futebol das Américas do Norte e Central.

Esse pagamento é central no indiciamento de Warner, acusado pelo Departamento de Justiça dos EUA de receber dinheiro para apoiar a candidatura da África do Sul para a Copa-2010.

A investigação não é conclusiva sobre se Valcke sabia que o dinheiro estava sendo usado para o pagamento de propina.

O suposto envolvimento de Valcke, conhecido no Brasil por ser responsável pela fiscalização dos preparativos da Copa, aproxima a investigação de Blatter, reeleito na semana passada para um quinto mandato consecutivo à frente da Fifa.

DETIDOS

A pedido das autoridades dos EUA, a polícia suíça realizou na última quarta-feira (27) uma operação surpresa para deter em Zurique sete dirigentes da Fifa investigados por corrupção e com mandados de extradição. Entre os detidos está o ex-presidente da CBF José Maria Marin, que deixou a entidade me abril.

Os outros detidos foram Jeffrey Webb, Eduardo Li, Julio Rocha, Costas Takkas, Eugenio Figueredo e Rafael Esquivel.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir