Sem categoria

Seap identifica rotas de fuga de presos do Compaj

Caminhos localizados na área da mata saem em trechos de quilômetros distintos. - Foto: Arthur Castro

Caminhos localizados na área da mata saem em trechos de quilômetros distintos. – Foto: Arthur Castro

Presos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no quilômetro 8 da BR-174 (Manaus – Boa Vista), utilizavam três rotas de fugas dentro da mata. As trilhas foram identificadas em uma inspeção da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), nessa quinta-feira. O secretário Pedro Florêncio disse que um dos caminhos leva a um trecho do quilômetro 8, no ramal do Areal. Os outros dois também saem na estrada, mas em um trecho do quilômetro 11. O acesso é por um ramal de terra por onde só trafegam veículos de pequeno porte e moto. A descoberta das rotas ocorreu dois dias depois de um túnel, ainda em fase inicial, ser descoberto do lado de fora do presídio.

“Detectamos essas trilhas e vimos que elas iniciam no matagal e, após uns 4 quilômetros, passam por ramais onde esses fugitivos têm acesso a veículos automotores para realizar a fuga com mais facilidade. Descobrimos que essas trilhas são utilizadas não só pelos presos que fogem, mas também pelos detentos do regime semiaberto, que aprontam e utilizam essa rota para se esconder”, explicou o secretário.

Segundo ele, as rotas de fuga são antigas, mas só agora foram descobertas. “Eu fui reconhecer o local por onde os presos costumam fugir. Fomos identificar esses locais que acabam sendo rotas para presos do regime semiaberto. Sabemos que os presos costumam desestabilizar o sistema de segurança, mas agora que fizemos esse reconhecimento, vamos pedir apoio da Secretaria de Segurança Pública e da Polícia Militar, para que vez ou outra ocorra patrulhamento nesses locais”, salientou.

Pedro Florêncio explicou que a Seap tem fechado o cerco para os presos, tirando regalias e aumentando a segurança dentro e fora do Compaj. Isso, segundo ele, vem tirando o sossego dos detentos, que fazem ameaças contra o secretário e contra outras pessoas ligadas à segurança pública. “Nosso trabalho de fiscalização tem sido diário. Nesse período já encontramos diversas grades de celas com partes cerradas, mas mandamos soldar. Agora achamos essas rotas de fuga que vamos monitorar. Estamos em um momento tenso com os presos, porque eles não aceitam a potencialização da segurança. Eles querem as regalias que tinham, coisas que não são permitidas pela lei e que antes eles tinham e que a lei não permite. Com isso surgem as ameaças contra mim e contra outras pessoas ligadas a secretaria, mas isso é natural”, comentou.

Túneis

O secretário também informou que, desde o início deste ano, quatro tuneis já foram encontrados para fuga dos presos. O último túnel deles, foi localizado na terça-feira (8), a 60 metros do muro do presídio, e já estava com mais de três metros de profundidade, na área de mata. “Essas escavações são a mando dos líderes da facção criminosa FDN (Família do Norte), que buscam promover fugas em massas”, disse.

O secretário explicou, que os presos que estavam escavando são do regime semiaberto e ainda não foram identificados, mas quando forem irão responder judicialmente. “Cavar túnel não é tipificado como crime, mas é dano ao patrimônio público então quando forem identificados responderão por isso”, observou.

Por Michelle Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir