País

Saúde lança ação para informar sobre aids a usuários de aplicativo gay

A diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Adele Benzaken, e o secretário de Vigilância em Saúde substituto, Alexandre Santos, durante o lançamento do projeto Close Certo - foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

A diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Adele Benzaken, e o secretário de Vigilância em
Saúde substituto, Alexandre Santos, durante o lançamento do projeto Close Certo – foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

O Ministério da Saúde lançou hoje (29) o projeto Close Certo, uma ação de educação sexual junto aos usuários do aplicativo de relacionamento Hornet. O objetivo é promover, no período dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, ações online com informações sobre prevenção, teste e tratamento junto aos jovens homossexuais, um dos grupos vulneráveis à epidemia de HIV/aids e outras infecções sexualmente transmissíveis no Brasil.

A ação no Hornet, que tem mais de 1 milhão de usuários no Brasil, será realizada entre 1º de agosto e 18 de setembro, em uma parceria do Ministério da Saúde com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Para divulgar o projeto, o aplicativo vai enviar quatro mensagens inbox a todos os usuários informando sobre a ação e com conteúdo do Ministério da Saúde.

Na iniciativa, 18 jovens promotores de saúde, sendo três tutores e 15 colaboradores, que participam do Hornet, terão seus perfis sinalizados com um laço azul, que indicará aos usuários do aplicativo que eles são voluntários participantes do Close Certo. Eles vão tirar dúvidas e compartilhar informações sobre prevenção e o tratamento do HIV/aids e outras infecções sexualmente transmissíveis.

“A gente reforça a importância dessa iniciativa pela necessidade de ter uma abordagem criativa e inovadora em relação a uma população jovem que nós sabemos que no mundo hoje é uma população mais vulnerável ao HIV”, disse o secretário de Vigilância em Saúde substituto, Alexandre Santos.

De acordo com o Ministério da Saúde, 827 mil pessoas vivem com o HIV/aids no país, e a média de mortes por aids nos últimos cinco anos alcança 12 mil.

“O projeto Close Certo é uma forma alternativa de trabalhar um de nossos desafios, que são as populações mais vulneráveis, como jovens gays e homens que fazem sexo com homens. Fazer essa interação por meio de mídia online possibilita um diálogo direto e aberto com este público”, afirmou a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, da Secretaria de Vigilância em Saúde, Adele Benzaken.

Para a diretora do Unaids no Brasil, Georgiana Grillard, há necessidade de reforçar a prevenção da doença no mundo. “Mais de 78 milhões de pessoas foram infectadas desde o início da epidemia, e 35 milhões morreram devido à aids. Na resposta global, tivemos muitos resultados positivos. Hoje temos mais de 17 milhões de pessoas em tratamento. No entanto, o mundo estagnou em relação à prevenção do HIV. Nos últimos cinco anos, vemos que a prevenção do HIV em adultos está no mesmo nível. São 2 milhões de novas infecções por ano em nível global”.

Aids em jovens

Segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 10 anos, a epidemia de aids tem avançado no público jovem. No Brasil, em 2004, a taxa de detecção na faixa de 15 a 24 anos foi de 9,5 casos por 100 mil habitantes, com 3.419 casos notificados. Em 2014, foram 4.669 casos notificados, o que representa taxa de detecção de 13,4 casos por 100 mil habitantes. Houve um crescimento de 41% na taxa de detecção em 11 anos. Na população geral, a taxa de detecção em 2014 é de 19,7 casos a cada 100 mil habitantes.

Adele Benzaken atribuiu esse aumento a alguns fatores. “Os jovens não viram o início da epidemia. Temos 30 anos de epidemia, e esses jovens que hoje estão se infectando, na faixa de 15 a 24 anos, não viram o que as pessoas mais velhas presenciaram, que era a morte de amigos, de cantores, de personagens importantes daquela época. O tratamento e a evolução dessa terapia fez com que a aids não tivesse mais aquele aspecto que tinha no início. No começo, o resultado positivo [da doença] era dizer que a pessoa iria morrer. Hoje, a gente fala que a aids é uma doença crônica, e que você vai tomar pelo resto da sua vida um comprimido. Isso faz com que as pessoas minimizem o temor da doença”, afirmou a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

 

Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir