Esportes

Santos aumenta oferta por Sandro, mas volante quer o dobro

O Santos corre contra o tempo para tentar fechar a contratação do volante Sandro, ex-Internacional e que pertence ao Queens Park Rangers, da Inglaterra. A negociação emperrou por causa dos valores financeiros e, a partir desta quarta-feira (22), nenhum jogador de clubes do exterior pode assinar com times brasileiros.

O clube paulista iniciou as conversas oferecendo R$ 200 mil de salário mensal, mas subiu a proposta para R$ 300 mil para tentar convencer o atleta.

No entanto, a diretoria santista não está otimista em relação ao reforço, pois o volante quer ganhar exatamente o dobro. Sandro pediu R$ 600 mil de salário e teria que abrir mão de metade de seu ordenado na Europa para voltar ao futebol brasileiro.

Os dirigentes santistas já haviam acertado a liberação de Sandro com o clube inglês, mas o acordo emperrou por causa do salário. Como já aceitou liberar o volante sem custos, o Queens Park Rangers não aceita pagar metade do salário.

A diretoria santista não aceita pagar R$ 600 mil por Sandro, pois gastaria quase toda a “verba de Robinho” com apenas um jogador. Explica-se: o clube paulista quer utilizar cerca de R$ 900 mil mensais, que gastaria com o seu ídolo, com os salários de três reforços.

Sandro foi revelado pelo clube gaúcho como grande promessa da posição e foi negociado com Tottenham, da Inglaterra, mas não estourou na Europa.

Sandro chega para suprir a posição mais carente do elenco santista. O clube perdeu dois jogadores no setor por lesão ligamentares no joelho -Alison, no início do ano, e Valencia, na Copa América.

Além de Sandro, a diretoria santista tentou, sem sucesso, a contratação de Fernando Gago, do Boca Juniors.

Fábio Braga, filho do técnico Abel Braga, foi oferecido ao Santos com salário modesto. Caso acerte contrato com o clube paulista, ele receberá R$ 25 mil mensais. Entretanto, apesar de o salário ser compatível com a realidade da diretoria santista, a contratação do atleta gera insegurança na Vila Belmiro.

Alguns integrantes da diretoria e comissão técnica acreditam que, para contratar uma “aposta”, é melhor utilizar atletas revelados nas categorias de base do clube.

Braga foi revelado pelo Fluminense, não se firmou como titular e foi emprestado ao América-RN. Ele estava atuando recentemente no CSMS Iasi, da Romênia.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir