Dia a dia

Samu capacita técnicos de enfermagem de áreas indígenas

A programação inclui atividades teóricas e práticas com simulação de situações para os diferentes tipos de atendimentos - foto: divulgação/ Semcom

A programação inclui atividades teóricas e práticas com simulação de situações para os diferentes tipos de atendimentos – foto: divulgação/ Semcom

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu – 192) iniciou nesta quarta-feira ( 27) um curso de atualização em Urgência e Emergência para técnicos de enfermagem que atuam em comunidades indígenas de 19 municípios do interior do Amazonas. O curso está acontecendo na Base Sul do Samu, instalado próximo à Bola da Suframa, e segue até sexta-feira, dia 29 de maio, das 8h às 17h, contando com a participação de 26 profissionais vinculados ao Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena (Dsei Manaus).

A chefe do Núcleo de Educação Permanente de Urgência do Samu-192, enfermeira Lêda Lima Sobral, explicou que o curso foi programado a partir de uma parceria com o Dsei e é direcionado para profissionais que trabalham em 22 polos bases, que funcionam como Unidades Básicas de Saúde, a maioria instalados dentro de comunidades indígenas.

“Foi uma solicitação feita à Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) para capacitar os profissionais no atendimento às urgências e emergências clínicas e traumáticas, priorizando situações mais frequentes nas áreas rurais”, destacou Leda Sobral.

O curso vai abordar emergências clínicas (desmaio, convulsão, obstrução de vias aéreas por corpo estranho, infarto agudo do miocárdio, AVC, intoxicação e acidentes com animais peçonhentos) e emergências traumáticas (atendimento pré-hospitalar em trauma, técnicas de imobilização e transporte de paciente crítico). A programação inclui atividades teóricas e práticas com simulação de situações para os diferentes tipos de atendimentos.

“A maioria dos polos bases realizam o atendimento dentro da aldeia indígena e são os técnicos de enfermagem e enfermeiros que fazem o primeiro atendimento. O objetivo desse trabalho é ampliar o conhecimento técnico-científico desses profissionais, capacitando para atuação de acordo com os protocolos, de forma ágil, segura, eficiente e com uma abordagem humanizada no atendimento de pacientes indígenas nas aldeias e polos base, e durante a remoção para hospitais”, explicou a assistente social Janiacley Mendonça, do setor de Educação Permanente do Dsei Manaus.

Para o técnico de enfermagem Ivanildo Andrade, de 51 anos, que trabalha no polo base do Pantaleão, no município de Autazes, atendendo uma população de sete mil indígenas da etnia Mura, o curso vai ser utilizado para atender uma demanda grande de situações de urgência e emergência. “No polo base são registrados situações em que há ferimentos com arma branca, hemorragias e ferimentos diversos. Os casos são encaminhados para o hospital, mas o primeiro atendimento é essencial no cuidado com o paciente. Por isso, é importante obter conhecimentos mais atualizados para prestar o melhor serviço possível nessas situações”, informou Ivanildo Andrade.

Com informações da assessoria de comunicação

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir