País

Samarco pode voltar a operar no início de 2017, diz ministro

O ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse nesta terça-feira (18), em Tóquio, que a mineradora Samarco, envolvida na tragédia de Mariana (MG), pode ter sua licença revista para voltar a operar no começo do próximo ano.

Coelho Filho disse ter se reunido com os administradores das duas mineradoras sócias na Samarco -a brasileira Vale e a anglo-australiana BHP Billiton-, que se comprometeram a fazer “o que for preciso para reparar os danos” causados pelo rompimento da barragem do Fundão, que deixou 19 mortos em novembro de 2015.

O ministro afirmou que houve atraso na construção de um dos quatro diques necessários, porque ele poderia afetar ainda mais a Estrada Real, considerada patrimônio histórico e já parcialmente soterrada pelo mar de lama que vazou da barragem.

“No Brasil ainda há muito preconceito com a mineração”, disse Coelho Filho, durante evento para apresentar a empresários e investidores japoneses o programa de privatizações do governo.

O ministro defendeu a retomada das operações para que se recuperem os empregos e os impostos gerados pela Samarco. Em 2015, a empresa tinha 3.000 funcionários, dos quais cerca da metade tiveram seus contratos de trabalho temporariamente suspensos (lay-off) após o desastre.

Segundo dados de 2014, a receita da mineradora equivalia a cerca de 6,4% do PIB do Espírito Santo e 1,6% do PIB de Minas, e a empresa pagara R$ 1,5 bilhão em impostos.

As declarações de Coelho Neto foram dadas em resposta à pergunta do representante da Nexi (Nippon Export and Investment Insurance), braço de exportação do governo japonês que faz seguros para bancos comerciais do país. O executivo havia perguntado ao ministro que medidas o governo pretendia tomar em relação à empresa responsável pelo acidente.

IMPACTO AMBIENTAL

Em junho, a mineradora apresentou a proposta de reutilizar o Vale do Fundão, onde se rompeu a barragem de reservatório de rejeitos de minério.
Como revelou a Folha de S.Paulo, a alternativa foi apresentada pela empresa em um estudo de impacto ambiental elaborado em junho, sete meses depois da tragédia que deixou rastro de destruição até a região litorânea do Espírito Santo.

O documento da mineradora, enviado a órgãos públicos, pede a análise prévia de um retorno das operações em Mariana, suspensas depois do rompimento da barragem.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2016 EM TEMPO Online. Todos Os Direitos Reservados.

Subir