Cultura

Rolling Stones fazem show-surpresa por US$ 5 em Los Angeles

Os Rolling Stones começaram a turnê norte-americana nesta quarta-feira (20), com um show-surpresa em que tocaram o álbum “Sticky Fingers” (1971) na íntegra pela primeira vez, diante de uma plateia que incluía estrelas como Bruce Willis e Leonard Cohen. Outras celebridades como Jack Nicholson e Andy Garcia também estavam lá.


O show, realizado em um teatro de Hollywood, incluiu ainda uma homenagem ao gigante do blues B.B. King, que morreu na semana passada, e terminou com uma apresentação rara da dançante “I Can’t Turn You Loose”, de Otis Redding.

Freguesas como “(I Can’t Get No) Satisfaction” e “Miss You” não entraram no repertório, composto por 16 canções.

Após semanas de especulação de que os Stones realizariam um show secreto em algum lugar de Los Angeles -onde eles têm ensaiado para sua peregrinação por estádios-, a banda anunciou, no início do dia, que os ingressos estariam à venda na internet ao meio-dia por apenas US$ 5 cada (R$ 15). Os bilhetes desapareceram em minutos.

O show foi realizado no Fonda Theatre, casa de 88 anos localizada na Hollywood Boulevard. Ali normalmente cabem cerca de 1.200 pessoas, porém o público foi menor por causa dos equipamentos de filmagem. Os detalhes do projeto de gravação não foram anunciados.

LUCIANA GIMENEZ

Os fãs, privados de seus celulares, tiveram muito espaço na pista de dança. Celebridades, amigos da banda e membros da família estavam sentados lá em cima. Entre eles, Luciana Gimenez, a mãe do filho caçula de Mick Jagger.

A turnê de dois meses, chamada Zip Code, cujo início oficial acontece em San Diego neste domingo (24), coincide com o relançamento de “Sticky Fingers”, o álbum de 1971 que traz “Brown Sugar”, “Wild Horses” e uma capa desenhada por Andy Warhol, mostrando um zíper de verdade sobre a virilha de um homem.

Eles resgataram raridades como “Sister Morphine”, co-escrita por Marianne Faithfull, e o blues de Fred McDowell, “You Gotta Move.” No entanto, as músicas não foram tocadas na mesma sequência do álbum.

“Caramba! Ano que vem vamos voltar e tocar todo o ‘Satanic Majesties'”, brincou Mick Jagger, referindo-se ao mal-amado álbum experimental de 1967, “Their Satanic Majesties Request”.

Jagger, ostentando uma camisa de cetim roxa, combinada com casaco e calças pretas, jocosamente advertiu que Sticky Fingers continha um monte de referências às drogas “que podem confundir algumas pessoas”. Além de “Sister Morphine”, o tema das drogas também se estende a canções como “Sway”, “Dead Flowers” e “Moonlight Mile”.
Jagger lembrou que B.B. King abriu para os Stones em 1969, e a banda tocou “Rock Me Baby”, do bluesman.

Sem um grande palco para correr, Jagger entregou uma performance vocal forte. Seu parceiro, o guitarrista Keith Richards, ficou quase sempre atrás, deixando para Ronnie Wood muitos dos solos. Jagger conseguiu tirar pelo menos uma boa risada do austero baterista Charlie Watts.

O show no Fonda Theatre aconteceu pouco mais de dois anos depois que os Stones fizeram um show em um clube no subúrbio de Echo Park, também em Los Angeles. Um funcionário da banda disse à multidão que os próximos shows são “os únicos shows que eles farão na América do Norte neste ano”.

O jornalista DEAN GOODMAN, agora um veterano com 219 shows dos Rolling Stones na bagagem, é autor de “Strange Days: The Adventures of a Grumpy Rock ‘n’ Roll Journalist in Los Angeles” (ed. Outpost Books)

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir