Dia a dia

Rodoviários votam nesta quinta-feira greve no sistema coletivo de Manaus

Categoria exige o cumprimento do dissídio coletivo da categoria, julgado no dia 30 de junho, em sessão do TRT – foto: Márcio Melo

Categoria exige o cumprimento do dissídio coletivo da categoria, julgado no dia 30 de junho, em sessão do TRT – foto: Márcio Melo

O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM) distribuiu nesta quarta-feira (6), documento para convocar a categoria para uma assembleia extraordinária na manhã de hoje. Os rodoviários exigem o cumprimento dodissídio coletivo da categoria, julgado no último dia 30, em sessão extraordinária do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região. Ao final do julgamento, ficou decidido que os rodoviários teriam reajuste de 8% nos seus salários.

Na ocasião, o assessor jurídico do Sinetram, Fernando Borges, afirmou que as empresas não dispõem de viabilidade econômica para arcar com qualquer percentual de reajuste. “As concessionárias não têm como arcar com mais esses custos.  O poder público não estabeleceu isso em planilha de modo que nós não temos como cumprir essa decisão de 8%, além dos benefícios”, destacou Borges.

Aumento vetado

A tarifa de ônibus continua a ser cobrada em R$ 3. O aumento proposto pelo Sinetram foi negado em decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), também no dia 30. De acordo com a decisão do desembargador João Mauro Bessa, como ainda não há uma decisão final sobre este caso em instâncias superiores, o aumento imediato para R$ 3,54 poderia causar grave dano à população. Isso porque, caso a Justiça decidisse reduzir novamente a tarifa, aqueles que pagaram mais caro não teriam como ser reparados.

O presidente do sindicato dos rodoviários, Givanci Oliveira, deixou claro que a posição da diretoria sindical é não ceder em relação ao que foi estipulado pelo TRT. Caso seja aprovada, a paralisação deve obedecer algumas regras. Pelo menos 30% da frota precisa continuar circulando. Nos horários de pico, o percentual precisa ser de pelo menos 70%.

O relator do dissídio, desembargador Lairto José Veloso, citou que o reajuste foi estabelecido com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O mesmo percentual também será aplicado nos benefícios dos trabalhadores, como cesta básica, ticket alimentação e vale lanche. Inicialmente, os trabalhadores reivindicavam um aumento percentual de 20% nos salários.

Por Fred Santana

 

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir