Dia a dia

Rodoviários bloqueiam saída de coletivos no terminal da Matriz

Rodoviários%20Gerson%20Freitas[1]

Rodoviários realizaram na manhã desta quarta-feira (1º) uma manifestação para pedir a saída da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM) e cobrar direitos como a insalubridade e Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Os trabalhadores bloquearam a saída de coletivos do Terminal da Matriz, no Centro, com um carro de som e deixaram a via completamente parada.

De acordo com o cobrador de ônibus e um dos organizadores da paralisação, Manoel Magno, o estopim para o ato foi o atraso do DD Crédito, que deveria ter sido depositado no cartão dos empregados das empresas de transporte coletivo nesta quarta-feira, além da volta do banco de horas.

“Estamos cansados dessa situação e resolvemos tomar uma atitude contra a diretoria atual do sindicato, que não faz nada por nossos direitos. Não tem ninguém por trás dessa manifestação aqui. Somos nós enquanto trabalhadores, cansados dessa palhaçada. Nós estamos esquecidos pelos nossos representantes”, contou Magno, acrescentando que 60% da categoria decidiu parar.

O cobrador contou que desde terça-feira (30) a paralisação estava sendo articulada e prometeu que vão parar outras vezes enquanto Givancir e Josildo Oliveira permanecerem na presidência do STTRM.

Usuários do transporte público ficaram bastante revoltados com a situação, alguns chegaram a se exaltar e prometeram virar o carro de som para desobstruir a passagem dos veículos. Um militar, que não quis se identificar, estava nervoso com a medida dos trabalhadores. “Eles tinham que ir para a garagem, bater o cartão e não sair com o carro. Eles estão errados e isso não dá o direito de proibirem o ir e vir do cidadão. Os rodoviários não têm que nos penalizar por isso”, disse o militar.

Rosalva Alves também estava irritada com o acontecimento e achou que a atitude dos rodoviários foi impensada. “A Polícia Militar tem que intervir. Eles estão pensando apenas neles mesmo. Tem gente que precisa trabalhar e fazer outras coisas e está aqui sem poder sair nos ônibus”, argumentou Alves.

Na última segunda-feira (29), O STTRM decidiu, em reunião a portas fechadas, que não realizariam nenhuma greve pelos próximos dias. Os representantes do sindicato informaram que iriam tentar apoio com a Justiça do Trabalho e da Prefeitura de Manaus.

A reportagem tentou entrar em contato com os irmãos Givancir e Josildo Oliveira, respectivamente presidente e vice do STTRM, para obter um posicionamento sobre a paralisação independente dos trabalhadores, mas os telefones estavam desligados.

Por Cecília Siqueira

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir