Esportes

Ricardo Teixeira admitiu que errou ao demitir Dunga em 2010, diz Del Nero

O presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Marco Polo Del Nero, afirmou que consultou Ricardo Teixeira, ex-presidente da entidade, sobre a contratação de Dunga para ser o técnico da seleção brasileira.

“Nós perguntamos para o Ricardo Teixeira, o que você tem contra o Dunga? O nosso foco é o Dunga, mas queremos saber porque ele deixou a seleção brasileira. Ele disse: errei por tê-lo mandato embora”, disse Marco Polo Del Nero em entrevista ao SporTV.

Teixeira foi presidente da CBF até março de 2012, quando renunciou ao cargo após mais de duas décadas no comando. Foi o ex-presidente que contratou Dunga em 2006 e o demitiu após a eliminação para a Holanda nas quartas de final da Copa do Mundo-2010.

Dunga reassumiu o comando da seleção brasileiro em julho de 2014 -menos de dez dias após o Brasil terminar o Mundial na quarta colocação.

Comandada por Felipão, que foi contratado no final de 2012, a seleção perdeu para a Holanda por 3 a 0, na semifinal, e foi goleada pela Alemanha por 7 a 1, a maior derrota na história centenária da equipe.

“Foi uma tragédia. Um carro passou por cima da sua família inteira”, disse Del Nero, que espera enfrentar novamente os atuais campeões do mundo.

“Estamos querendo jogar contra a Alemanha. Para nós não é revanche. É importante demonstrar capacidade do futebol brasileiro”, acrescentou o dirigente, que assumiu oficialmente o comando da entidade no último dia 17 -substituiu José Maria Marin.

O novo presidente da CBF comentou sobre a volta do sistema mata-mata no Campeonato Brasileiro. A maioria dos técnicos dos clubes da elite do Nacional são a favor da permanência dos pontos corridos, enquanto 11 presidentes de clubes são favoráveis ao antigo sistema de disputa.

“Eu estou satisfeito com pontos corridos. Acho que como administrador, aconselharia. Eu particularmente entendo que deveríamos seguir com pontos corridos”, completou.

Por Folhapress

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir