Economia

Retomar confiança é fundamental para recuperar economia, diz presidente do BC

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, defendeu ações do governo relacionadas ao balanço do setor público - foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O presidente do BC, Ilan Goldfajn, defendeu ações do governo relacionadas ao balanço do setor público – foto: Wilson Dias/ABr

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse na noite desta quinta-feira (22) considerar “a retomada da confiança o elemento crucial para a recuperação da economia”, no evento As Melhores da Dinheiro, feito na capital paulista. Para Goldfajn, é fundamental perseverar nos ajustes e na reforma da economia brasileira para reduzir incertezas e oferecer perspectivas de crescimento sustentável, além de uma inflação baixa e estável no futuro.

“Para isso, temos que fortalecer o arcabouço de política econômica que já se mostrou exitoso no passado. Eu me refiro especificamente ao tripé macroeconômico formado por responsabilidade fiscal, que são as reformas, os ajustes fiscais; controle da inflação, que é nossa busca da meta; e o regime de câmbio flutuante, que permite que o câmbio seja um amortizador de choques”, disse.

No entanto, o presidente admitiu que há ainda desafios internos relevantes no país. “No mercado de trabalho, observamos ainda a continuidade do aumento da taxa de desemprego e há perdas do rendimento real dos trabalhadores, embora em ritmo menor do que no passado recente”.

Goldfajn defendeu ações do governo relacionadas ao balanço do setor público, como a PEC 241, que estabelece o teto de gastos das contas públicas, e a reforma da Previdência. Segundo ele, essas ações são importantes para a retomada da confiança.

Sobre a economia internacional, o presidente do BC acredita que o mundo vive o que chamou de “interregno [interrupção passageira] benigno” para economias emergentes como o Brasil. “Esse cenário oferece simultaneamente condições favoráveis de financiamento e alguma recuperação da atividade global. Isso ocorre porque o ritmo de crescimento da economia global não é forte o suficiente para retirada dos estímulos monetários na maioria das principais economias. Nem é fraco o bastante para desencadear aumento de aversão ao risco dos investidores internacionais com efeitos adversos sobre a disponibilidade de fontes de financiamento ou para empatar a demanda por nosso bens”, disse.

Por Agência Brasil

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir