Sem categoria

Rede elétrica de Manaus está no fim da vida útil

 

 Afirmação foi feita nesta sexta-feira pelo diretor-presidente da Eletrobras Amazonas Energia, Antônio Carlos Paiva - foto: arquivo Em Tempo

Afirmação foi feita nesta sexta-feira pelo diretor-presidente da Eletrobras Amazonas Energia, Antônio Carlos Paiva – foto: arquivo Em Tempo

Com 40 anos de uso, a rede de distribuição de energia elétrica em Manaus está no fim da vida útil. Obsoleto, o sistema é vulnerável a panes constantes que deixam diversos bairros da capital sem energia, revelou o diretor-presidente da Eletrobras Amazonas Energia, Antônio Carlos Faria de Paiva, em entrevista a uma rádio local, na manhã dessa sexta-feira (6).

Paiva disse que um dos problemas constantes são as cruzetas, hastes de madeira nas quais são fixados os fios de alta tensão. “Elas quebram fácil e geram um custo alto de reposição”, disse ele. A substituição da rede, segundo Paiva ocorre em ritmo lento devido à falta de investimentos. A queda no fornecimento de energia, portanto, é inevitável. “Manaus cresceu muito, consequentemente a carga de energia também e não houve investimento adequado para acompanhar essa demanda. A rede, hoje, é envelhecida e vem causando problemas. Este ano, investimos R$ 300 milhões na atualização da rede. Ano que vem, serão mais R$ 650 milhões para melhorar o sistema”, declarou.

Paiva destacou, que a empresa, também está investindo na construção de novas redes e na substituição dos cabos de alta tensão. O novo sistema, será mais resistente e dificultará ações como a de curto circuito, furto de energia e de cabos de rede. “Nós também estamos no processo de construção de novas redes, que são chamadas de compactas, sendo mais seguras e confiável. Essas redes são mais resistentes a ventos fortes, queda de objetos sobre a rede e tem melhor proteção. A gente também tem substituído os cabos de alumínio, por cabos revestidos, para evitar a questão do curto circuito, do roubo e do gato”, alegou.

Em relação ao furto de combustíveis de termelétrica do Estado, o presidente da Eletrobrás, se disse surpreso com a valor desviado por dia. “O valor desse processo foi uma surpresa, mas por estar correndo sob sigilo de justiça, não tenho muitas informações. Por alto, tivemos a informação que o pessoal roubava 500 mil litros de combustível por mês, se dividirmos esse valor por 30, vamos ter 16 mil litros roubados por dia. Fiquei surpreso, mas vamos esperar o processo se encerrar parar dar dados mais precisos”, comentou.

Por Michelle Freitas

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subir